Não patrocine massacres. Boicote produtos israelenses.

Não patrocine massacres. Boicote produtos israelenses.

segunda-feira, 19 de janeiro de 2009

Para o nazismo, só falta a câmara de gás


EM GAZA, ESTÃO USANDO UM NOVO TIPO DE ARMA.
Sophie Shihab.
Le Monde 12/01/2009 e Rebelión 13/01/2009.

"Será que esta guerra é um laboratório para os fabricantes da morte? Em pleno século vinte, é possível fechar um milhão e meio de pessoas e fazer com elas o que se quer, chamando-as de terroristas?"


Nos últimos dias, as redes de televisão árabes que transmitem da Faixa de Gaza vêm mostrando feridos de um novo tipo, adultos e crianças com munhões ensangüentados no lugar das pernas. No domingo, dia 11 de janeiro, dois médicos noruegueses, os únicos ocidentais que trabalham no hospital da cidade confirmaram isso.
Os médicos Mads Gilbert e Erik Fosse, que trabalham na região há vinte anos com a ONG norueguesa Norwac, conseguiram sair do território na véspera, com 15 feridos graves pela fronteira com o Egito. Não sem ter que driblar obstáculos: "Três dias atrás, o nosso comboio, apesar de identificado pelo Comitê Internacional da Cruz Vermelha, teve que dar meia volta antes de chegar em Khan Yunis, onde os tanques atiraram em nós para nos deter", declararam aos jornalistas presentes em Al-Arish.
Dois dias depois, o comboio pôde passar, mas os médicos e o embaixador da Noruega que haviam ido recebê-los foram retidos durante toda a noite "por razões burocráticas" no posto de fronteira egípcio de Rafah, semi-aberto somente para as missões de saúde. Na mesma noite, os vidros do posto foram quebrados pelo estampido de uma das bombas lançadas nas proximidades.
"No hospital Al-Shifa de Gaza não vimos queimaduras de fósforo nem feridos por bombas de fragmentação. Mas vimos vítimas de algo que tem todas as características de um novo tipo de arma testado pelos militares estadunidenses, conhecido como Explosivo de Metal Denso Inerte (DIME, pela sigla em inglês)", declararam os médicos.
Trata-se de pequenas bombas envolvidas por carbono e uma camada de tungstênio, cobalto, níquel ou ferro cujo enorme poder de explosão se dissipa num raio de dez metros. "A dois metros corta o corpo no meio, a oito metros serra as pernas, abrasando-as como se tivessem sido atravessadas por milhares de agulhas. Não vimos corpos partidos, mas sim muitos amputados. Em 2006, houve algo parecido no sul do Líbano e vimos isso em Gaza naquele mesmo ano, durante a operação israelense ‘chuva de verão’. Os experimentos com ratos têm demonstrado que as partículas que permanecem no corpo são cancerígenas", explicaram os médicos.
Um médico palestino, entrevistado no domingo por Al Jazeera, relatou sua impotência em casos como estes: "Não há nenhum rastro visível de metal no corpo, mas há estranhas hemorragias internas. Uma matéria queima os vasos sanguíneos e causa a morte. Não podemos fazer nada". Segundo a primeira equipe de médicos árabes autorizada a entrar no território ocupado, que chegou no hospital de Khan Yunes vinda do sul, entraram aí "dezenas" de casos desse tipo.
Os médicos noruegueses têm se sentido na obrigação de informar o que viram devido à ausência em Gaza de qualquer outro representante do "mundo ocidental", seja ele médico ou jornalista. "Será que esta guerra é um laboratório para os fabricantes da morte? Em pleno século vinte, é possível fechar um milhão e meio de pessoas e fazer com elas o que se quer, chamando-as de terroristas?"
Haviam chegado no hospital de Al-Shifa, lugar que já conheciam antes e depois do bloqueio, no quarto dia de guerra. Aí encontraram um edifício e equipamentos "já nas últimas", um pessoal exausto e moribundos em qualquer lugar. O material que haviam preparado havia sido detido na passagem de fronteira de Eretz.
"Quando chegam no Pronto Socorro cinqüenta feridos de uma vez, o melhor hospital de Oslo mal poderia atendê-los – contam. Aqui podem cair dez bombas por minuto. A destruição de uma mesquita próxima transformou em cacos alguns vidros do hospital. Quando soam as sirenes o pessoal tem que se refugiar nos corredores. Sua valentia é incrível. Na melhor das hipóteses dormem duas ou três horas por dia. A maior parte deles tem vítimas entre seus próprios parentes; ouvem no rádio a lista dos lugares que acabam de ser atacados e às vezes é onde mora sua família, mas eles têm que ficar trabalhando... Na manhã em que saímos daí, quando entrei na emergência, perguntei como haviam passado a noite. Uma enfermeira sorriu. Em seguida prorrompeu em soluços".
Neste momento do relato, a voz do doutor Gilbert se quebra. "Já está vendo – se recompõe e sorri com calma – eu também...".

Nenhum comentário: