Não patrocine massacres. Boicote produtos israelenses.

Não patrocine massacres. Boicote produtos israelenses.

sexta-feira, 30 de julho de 2010

Não sejamos cúmplices do governo israelense - LEVANTEMO-NOS CONTRA ESSE GENOCÍDIO

No link abaixo, você verá imagens recentes do massacre imposto pelo governo Israelense contra o povo palestino. Muitas, jamais mostradas.

http://giwersworld.org/antisem/GAZA-pics/index.html

E ainda há pessoas que dizem que Israel é a vítima e os palestinos os invasores e terroristas.

LEVANTEMOS A VÓZ CONTRA TODO O SOFRIMENTO QUE O GOVERNO ISRAELENSE IMPÕE SOBRE O POVO PALESTINO.

segunda-feira, 26 de julho de 2010

Vídeo - New York Times denuncia diferença entre palestinos e israelenses

Reportagem do New York Times mostra diferença entre quem vive na Cisjordânia, ou seja, de quem não tem moradia e sequer água, e de quem vive em Israel e usufrui de casas modernas, muitas vezes com piscinas!

quarta-feira, 21 de julho de 2010

O muro do apartheid

Assista esse vídeo/denúncia sobre o Muro da vergonha e do Apartheid, que cada dia é construído mais um trecho, separando vidas e causando mortes, sob o silêncio do mundo... A construção do muro iniciou em 2002 e já estamos em 2010...
http://www.youtube.com/watch?v=HRWQC9UGO8A&feature=related


PIP, 10 de julho de 2010 .

Foto: Muro do Apartheid , em Jerusalém.

Milhares de palestinos se manifestaram , com muitas passeatas de protesto contra o Muro do Apartheid e a lembrançado sexto aniversário do fracasso da decisão do Tribunal Penal Internacional ( TPI ) de Haia contra a construção do muro racista, pela entidade ocupante (Israel).

A concentração teve lugar ontem e continuou no sábado em quase todos os distritos de Hebron , no sul de Jenin , no norte da Palestina ocupada.

« Como toda sexta-feira nós nos reunimos em Naalin (vila palestina ) para protestar contra o roubo de nossas terras e assegurar ao mundo que esse muro tem nada relacionado à segurança ", afirmou Hindy Musleh , um membro da Stop da Organização do Wall ' .

Tribunal de Justiça: Em 9 de julho 2004, a Corte Internacional de Justiça - CIJ de Haya, pronunciou-se contra o muro que a potência ocupante estava levantando em Ribera Ocidental, separando aldeias, cidades e cercando jerusalém.
A Corte considerou "ilegal" e exigiu sua destruição , congelar e compensar os palestinos afetados. Wall : Sharon começou sua construção em Junho de 2002 , seu projeto inicial seria chegar a pouco mais de 325 km de comprimento. Atualmente supera mais de 700 km de extensão , duplicando a Linha Verde da ONU entre a Cisjordânia e Israel.
O Muro do apartheid combina seções de segmentos de cerca eletrônica , com paredes de concreto de até 10 metros , deixando as cidades e os vizinhos de sempre da mesma rua , separados por blocos de concreto.
Este muro ,é parte da política de ampliação dos territórios ocupados está dentro dos 68 % do território palestino e onde se encontra 80% de água palestino , usurpando casas e campos cultivados e penetrando mais de 24 km em territórios palestinos .
Testemunha: Muhammad Ibrahim , um morador de Jerusalém Oriental , disse: " De repente estávamos a 45 minutos de onde mora minha mãe , por causa das voltas que nós tivemos que dar, quando sua casa é do outro lado da rua. "
Israel: Ele ignorou a decisão do TIJ , violou todas as resoluções da ONU condenando o muro , e ainda a construção , causando sérios danos ao desenvolvimento, à terra , à saúde , à liberdade e à economia palestina.


Conheça os Blogs
http://jerusalem-palestina.blogspot.com/

http://somostodospalestinos.blogspot.com/

segunda-feira, 19 de julho de 2010

Leiam a carta escrita pelo Sr. Hamdan, um ano antes de sua morte no Brasil - palavras fortes de um ser humano digno

O Sr. Hamdan apesar da saúde debilitada, lutou até a morte pelo direito de transferência dos palestinos refugiados no Brasil para outro país que acolhesse com dignidade. Foi um dos integrantes do grupo que permaneceu acampado por mais de um ano em frente a sede da ACNUR-Brasil, em Brasília.

Eu, Hamdan, 65 anos de idade, nascido ainda na Palestina livre, já vi muita coisa que pessoas comuns e autoridades duvidariam. Essas coisas compõem o pano de fundo que me ajuda a sobreviver. Principalmente no que diz respeito à intuição e ao sentimento que me guiam na escolha de como me proteger e de como devo seguir em frente. O peso da idade me troxe muito conhecimento, assim como me trouxe o cansaço. Estou cansado, com cabelos e barba brancos, me faltam alguns dentes e não ouço muito bem. Minha mente está lúcida, porém precisando de descanso. Mesmo com essa necessidade não posso me eximir quando a situação pede que eu ajude um irmão. É o que neste momento acontece.

Desde que cheguei ao Brasil estou sendo tratado como invalido ou como louco. Em Mogi das Cruzes, São Paulo, o a agência internacional para refugiado e sua parceira no Brasil, a Caritas Brasileira, já me colocaram em um asilo que mais parecia uma prisão. Sou uma pessoa inquieta. Tenho que a toda hora caminhar, beber meu chá preto, fazer minhas orações em voz alta e conversar com meus amigos. Ser jogado em uma instituição, isolado, sem poder me movimentar e em um país que nada conheço é um ato extremo de desumanidade. A Cáritas Brasileira se recusou a me alojar em um apartamento individual. Que eu não canso em dizer que são atos criminosos!

O mais recente crime que estão cometento contra mim agora alcança pessoas que estão me ajudando. Só porquê elas não fazem parte do grupo de criminosos que vêm me taxando de louco e inválido. Só porquê as pessoas que me ajudam não questionam as razões de minhas necessidades. Só porquê as pessoas que me ajudam não me deixam em segundo plano, esperando que minhas necessidades médicas se curem por si só. Não falarei o nome delas aqui, pois acho prudente, pois estão as acusando de quererem se auto-promover.

Criminosos! Ninguém diz o que tenho que fazer ou deixar de fazer. Sei o que quero e sou incisivo! Se não gostam do que digo às claras, ou se não gostam de ver que não me curvo perante vocês é porquê vocês estão jogando com a minha vida e com a vida de meus amigos. É porquê para vocês o trabalho humanitário é mais um jogo perverso de guerra. Se como refugiado tenho direitos, me digam quais são. Se não os tenho também me digam que não tenho. Sejam sinceros ao menos uma vez e digam se são ou não são responsáveis pela minha situação como refugiado. Se não, posso continuar a seguir meu caminho sozinho buscando um outro país que me acolha, já que não posso voltar à minha Palestina livre.

Brasília, setembro, 2008

quarta-feira, 14 de julho de 2010

CAMPANHA URGENTE - REDE DE SOLIDARIEDADE AOS PALESTINOS EM SITUAÇÃO DE REFÚGIO NO BRASIL

O nossos irmãos palestinos em situação de refúgio no Brasil precisam da ajuda de todos nós.
Faça parte da rede de solidariedade aos refugiados palestinos no Brasil que pretendemos construir.
Abrimos uma conta bancária para receber contribuições voluntárias dos simpatizantes da causa palestina que servirá de suporte para a inclusão social dessas pessoas que estão, desde que para cá foram trazidos em 2007, abandonados pela ONU e pelo estado brasileiro, sem condições de alcançar a auto-suficiência no Brasil e proibidos de procurar asilo em outro país ou usufruir do direito de retorno.

Elaboramos uma ficha "Compromisso de Adesão" para ser preenchida pelas pessoas que possam e queiram se comprometer a fazer depósitos de qualquer valor, mensais ou bimestrais. Temos no Brasil um grande número de militantes e simpatizantes da causa palestina e um pouco de cada um será o bastante para que os palestinos no Brasil possam sair da exclusão social em que estão hoje.

Quem conhece a história do povo palestino sabe muito bem o quanto eles precisam de ajuda, seja refugiado no seu próprio país, usurpado para a imposição do estado de Israel em suas terras, a Palestina, seja em outros países, como no Brasil. Sabe também que todos os dias, palestinos são retirados a força de suas casas, na Palestina (onde hoje é Israel) e os que resistem são presos ou mortos pelo governo israelense. Pois bem, o que talvez poucas pessoas saibam é que no Brasil vivem hoje cerca de 130 palestinos refugiados que foram trazidos em 2007 e foram instalados em Mogi das Cruzes (SP), e Venâncio Aires (RS) depois de viverem por quase cinco anos no campo de refugiados de Ruweished (deserto da Jordânia). Antes, viviam como refugiados no Iraque (Bagdah), de onde tiveram de fugir sob ameaça de morte, após a invasão daquele país pelos Estados Unidos em 2003.

Quando foram resgatados do Campo de Ruweished para serem trazidos ao Brasil, muitas promessas lhes foram feitas mas não foram cumpridas e desde então, a grande maioria passa por muitas dificuldades, cinco já morreram, alguns não conseguem pagar o aluguel de onde moram e sofrem ameaças de despejo, e a outros falta até casa para morar e recursos financeiros para satisfazer as necessidades mais básicas do dia a dia, o que inclui comida e medicamentos de uso contínuo. Entre eles há muitos, de todas as faixas etárias, homens e mulheres, com a saúde debilitada e sem a devida assistência médica. E ainda sofrem com a incompreensão e discriminação no dia a dia.

Quem estiver interessado em contribuir mensalmente basta postar um comentário nesta postagem informando um e-mail para contato e solicitando o envio da ficha "Compromisso de Adesão", que deverá ser preenchida, escaneada e devolvida em anexo. Por e-mail enviaremos mensalmente as informações sobre a destinação dos recursos que houverem na conta e disponibilizaremos também tais informações neste blog.

Para quem quiser fazer depósitos esporádicos, segue abaixo o nº da conta, e se possível, informe por e-mail o dia e o valor do depósito:

Conta na Caixa Econômica Federal
Agência: 0350
Operação: 013
Conta nº: 00020048-0

Obs. Nos depósitos em caixas eletrônicos será solitado digitar todos os números na ordem acima.

Para quem for depositar por DOC, enviaremos, a quem solicitar, o nº do CPF, documento exigido para tal operação.

Telefones para contato:
(11) 4796-5484 ou (11) 8389-2026 (Mauro)
(11) 6677-0766 (Walid ou Huda)

Pedimos que todos contribuam e ajudem a divulgar.

Mauro Rodrigues de Aguiar
integrante do Comitê Autônomo de Solidariedade ao Povo Palestino
Mogi das Cruzes/SP
e-mail mroag@ig.com.br

sexta-feira, 9 de julho de 2010

Rede de solidariedade aos palestinos em situação de refúgio no Brasil


Car@s
Refugiados palestinos que moram em Mogi das Cruzes estão precisando muito da nossa ajuda. Não conseguiram a devida inclusão e estão em situação muito difícil. Queremos garantir sua inclusão, mas neste momento faz-se urgente uma ajuda para que não sejam despejados e tenham o que comer. Os interessados em contribuir mensalmente ou bimestralmente, entrem em contato com Mauro pelo e-mail mroag@ig.com.br para que enviemos a Ficha Compromisso de Adesão a ser preenchida e devolvida assinada e escaneada, por e-mail ou pelo correio, seguindo as instruções que constam na própria ficha. Manteremos contato mensal para informar sobre a destinação dos recursos doados.

Conta na Caixa Econômica Federal nº 0350 / 013 / 00020048-0


Nos depósitos ou transferências eletrônicas será sempre solicitado digitar na seguinte ordem:
0350 = agência
013 = tipo de conta (poupança)
00020048-0 = número da conta e dígito verificador


Favor divulgarem, abraços a todos e todas,