Não patrocine massacres. Boicote produtos israelenses.

Não patrocine massacres. Boicote produtos israelenses.

terça-feira, 25 de agosto de 2009

Palestinos: o Dia da Terra

Maurício Tragtenberg: um intelectual judeu contra o sionismo!
Sempre será recordado!

http://mauricio-tragtenberg.blogspot.com/

Palestinos: o Dia da Terra
por Maurício Tragtenberg**

Amanhã, dia 30, o povo palestino comemora o “Dia da Terra”, que surgiu como lembrança histórica da resistência que em 1976, os vários palestinos da Galiléia (território ocupado em 1948) manifestaram contra a invasão e ocupação de suas terras pelo Estado em Israel.

Como acontece nessas ocasiões houve repressão e violência por parte das autoridades militares de ocupação, onde foram indiscriminadamente atingidos homens, mulheres, velhos e crianças. É impossível destruir um povo que por mais de trinta séculos construiu sua cultura, suas obras materiais e espirituais.

Enquadrada no plano da destruição da cultura e identidade do povo palestino estão as universidades palestinas construídas nas ‘zonas ocupadas’ pelo Estado em Israel.

Através da Ordenança Militar 854, uma das 1.080 ordenações militares que modificam a legislação jordaniana, em vigor na Cisjordânia, o Estado detém em suas mãos a permissão de funcionamento de qualquer instituição educacional, que implica no controle pelas autoridades do pessoal acadêmico, dos programas e manuais de ensino.

Uma das iniciativas que afetou gravemente o funcionamento das universidades palestinas nas ‘zonas ocupadas’ foi que a partir de 1983 os professores estrangeiros – na realidade palestinos com passaportes de diversas nacionalidades estrangeiras – tenham que assinar uma declaração, segundo a qual, comprometem-se a não dar apoio algum à OLP nem a qualquer organização terrorista. Ante a recusa unânime do corpo de professores em assinar tal ignominioso papel, a repressão foi terrível.

A Universidade d’An-Najah teve dezoito professores expulsos, enquanto outros três que estavam no Exterior foram proibidos de ingressar na Cisjordânia. Bir-Zeit perdeu cinco e a Universidade de Bethléem perdeu doze de seus professores.

O fechamento temporário de universidades é outra medida que as “autoridades” de ocupação lançam mão; entre 1981/2 a Universidade de Bir-Zeit ficou fechada sete meses. A Universidade de An-Najah em 1982/3 ficou fechada durante três meses consecutivos, as Universidades de Bethléem e Hebron conheceram igual destino.

Com o fim de vencer a resistência cultural palestina, a detenção de estudantes pelos motivos mais fúteis é coisa comum em todas as universidades da Cisjordânia. Os detidos são confinados na prisão de Fara’a, no Vale do Jordão. Segundo a advogada Lea Tsemel, o detido, conforme a “lei de urgência” (do período do Mandato Britânico) pode ficar incomunicável durante dezoito dias, sem culpabilidade definida nem visita de advogado. Por trazer consigo um panfleto ilegal o detido pode assim ficar durante 48 dias.

O “tratamento” é o mais degradante possível: duchas frias, golpes, insultos.

O presidente do Conselho de Estudantes de An-Najah, condenado a seis anos de prisão em 1974, não só afirmou ter sido torturado como também afirmou: “todos os prisioneiros palestinos são torturados.”

Porém, a Universidade de Bir-Zeit é um foco de resistência cultural palestina; organiza atividades culturais fundada na cultura popular palestina. Possui uma biblioteca significativa aberta à consulta pública.

Os dados a respeito da situação de resistência cultural palestina acima descrita nos foram fornecidos por Sônia Dayan-Herzbrun e Paul Kessler, que testemunham: “O fato de sermos judeus não afeta nossa objetividade em relação ao tema tratado. A consciência de nossa identidade judaica e das responsabilidades inerentes a ela nos levaram a participar do Centro de Cooperação com a Universidade Bir-Zeit.” (Le Monde Diplomatique, julho de 1984).

É o que também pensamos. O “Dia da Terra” é a reafirmação de um povo que pode ser expropriado, espezinhado, torturado, caluniado; vencido nunca.


__________
* Publicado in: Folha de S. Paulo, 29.03.1985; e, também, na Revista Espaço Acadêmico, nº. 28, setembro de 2003, disponível em http://www.espacoacademico.com.br/028/28mt_02041984.htm
** Maurício Tragtenberg, 54, professor do Departamento de Ciências Sociais da Fundação Getúlio Vargas (SP) e da PUC-SP, escreveu, entre outros livros, “Administração, Poder e Ideologia".

Premier palestino apresenta programa para Estado palestino em 2011

RAMALLAH, Cisjordânia (AFP) - O primeiro-ministro palestino Salam Fayyad apresentou nesta terça-feira um programa de ação do governo que prevê a criação de um Estado palestino até 2011, sem esperar os resultados das negociações com Israel, que rejeitou qualquer proclamação unilateral.

"Devemos atuar para continuar com a edificação de um Estado, apesar da ocupação e para acabar com esta", declarou Fayyad depois de ler o programa de seu governo em Ramallah.
"A criação de um Estado palestino soberano é indispensável para a segurança e a estabilidade de nossa região. Apesar de sermos conscientes da ameaça que representa a continuidade da colonização israelense para a solução baseada em dois Estados, nosso governo segue fiel aos programas da OLP e da Autoridade Palestina para criar o Estado independente com Jerusalém como capital e nas fronteiras de 1967, nos próximos dois anos", completou Fayyad.
O programa apresentado por Fayyad define "os objetivos e as ações que encabeçam as prioridades da Autoridade Palestina para os próximos dois anos", em aspectos que vão desde a segurança às infraestruturas, passando pela justiça e os serviços sociais.
No âmbito das infraestruturas, o documento prevê, entre outras coisas, a reconstrução do único aeroporto palestino em Rafah (sul da Faixa de Gaza), bombardeado em várias oportunidades por Israel durante a Intifada.
"Estou confiante. Nosso povo apoiará estes objetivos com sua solidariedade e sua determinação de acabar com a ocupação e estabelecer seu Estado independente, vamos triunfar", prometeu Fayyad.
"A criação de um Estado palestino nos próximos dois anos é um dever e uma tarefa realizável", insistiu.
Também insistiu na celebração de novas eleições gerais nos territórios palestinos em janeiro de 2010.
No entanto, o ministro israelense das Finanças, Yuval Steinitz, qualificou as declarações de Fayyad de "decepcionantes".
"As palavras dele vão contra os acordos assinados entre as duas partes. Não há espaço para decisõs unilaterais nem ameaças. É evidente que um Estado palestino, qualquer que seja sua forma, não se concretizará se os imperativos de segurança de Israel não forem levados em consideração", afirmou Steinitz.
O premier israelense Benjamin Netanyahu aceitou em 14 de junho o princípio de uma solução baseada na criação de um Estado palestino, mas apresentando ao mesmo tempo uma série de condições que impediam uma verdadeira soberania.

domingo, 16 de agosto de 2009

O fascismo israelense

Segue um texto do Maurício Tragtenberg, um intelectual judeu, que se posicionou a favor do povo palestino e contra o Estado de Israel. Tragtenberg é um dos grandes mestres para todos os que almejam um socialismo libertário e autogestionário. E é preciso lembrar, que ser contra o sionismo não tem absolutamente nada a ver com ser contra os judeus ou anti-semita. Pelo contrário, qualquer judeu que tenha um mínimo de coerência com a tradição humanista judaica e de esquerda, irá se posicionar criticamente em relação ao fascismo do estado de Israel e assumir a defesa do povo palestino. Nao queremos nem o nazismo, nem o sionismo.
O fascismo israelense
Por MAURÍCIO TRAGTENBERG
Textos Políticos- In Memorian Menachem Begin visto por Einstein, H. Arendt e N. Goldman
Deu-se o massacre dos palestinos dos campos de Sabra e Chatila por obra dos assassinos chefiados por cel. Haddad, com conivência e participação, isso após a morte do traficante de haxixe Gemayel, novo “Quisling” imposto pelas tropas de ocupação.Por tudo isso, ser fiel à tradição judaica é condenar mais este genocídio praticado contra o povo palestino. [1]É necessário acabar de vez com o etnocentrismo que toma a forma de judeu-centrismo, onde o massacre de judeus brancos por brancos europeus tem um status diferente do massacre dos armêmios pelos turcos, dos negros africanos pelos traficantes de escravos, dos chineses na Indonésia. Assim, Auschwitz é elevado a potência metafísica. Sou um dos últimos a minimizar as atrocidades cometidas em Auschwitz, porém, as lágrimas de outros povos não contam?Esse massacre de palestinos, a esclada militar no Líbano, a expropriação das terras de camponeses palestinos à custa dos quais fundou-se o Estado de Israel, são consequências da hegemonia em Israel do bloco religioso ao fascismo, que tem em Begin sua maior expressão. Compreender o “fenômeno Begin” é condição indispensável para compreensão de um fenômeno que transformou o Estado de Israel na Prússia do Oriente Médio.Já em 1948 Begin era criticado numa carta publicada pelo “New York Times” a 4/12, assinada por Albert Einstein e Hannah Arendt, entre outras personalidades judaicas e não judaicas.Já era chamado de terrorista, acusação que ele no poder faz contra os palestinos indiscrinadamente. Muito mais, denunciava a carta que entre os fenômenos mais pertubadores de nossa época está o aparecimento do Tnuat Haherut, partido político semelhante por sua organização e métodos totalitários aos partidos Nazitas e Fascista. Acrescentava a carta que a visita de Begin aos EUA era para dar impressão de que ele dispunha do apoio norte-americano. Argumentavam os autores da citada carta ser inconcebível que aqueles que se opunham ao fascismo através do mundo, se corretamente informados sobre os antecedentes do sr. Begin, apoiassem suas iniciativas. Segundo Hannah Arendt e seus companheiros, hoje em dia ele (Begin) fala em democracia e liberdade, mas até há pouco pregava abertamente a doutrina fascista. Einstein e os demais subscritores da carta criticam como prática fascista o massacre de camponeses árabes da aldeia de Der Yassin.A 9/4/48 o bando terrorista da “Irgun” massacrou 240 habitantes, levando os poucos sobreviventes para uma parada, exibindo-os como cativos nas ruas de Jerusalém. Enquanto a “Agência Judaica” desculpava-se por esse massacre fora dos planos, os adeptos de Begin convidavam os correspondentes estrangeiros no país para ver os corpos empilhados em Der Yassin.Segundo Einstein, Hannah Arendt e mais 24 intelectuais que assinaram a carta, o partido do sr. Begin prega um ultranacionalismo, misticismo religioso e superioridade racial. A carta critica “Irgun”, por espalhar o medo entre a comunidade judia na Palestina, espancando intelectuais judeus que o criticam, tentando intimidar a população judia com assaltos e depredações. Conclui a carta que Beguin tenta substituir a liberdade sindical por um modelo corporativo “nos moldes do fascismo” e que seu partido traz a marca do Partido Fascista, para quem o terrorismo contra ingleses, árabes e judeus é um meio e a construção do Estado Fascista Autoritário, a finalidade.Na mesma linha de pensamento está baseada a entrevista que Nahum Goldman, ex-presidente do Congresso Mundial Judaico, concedeu à revista alemã “Der Spiegel”, pouco antes de falecer.Segundo N. Goldman, a política agressiva de Beguin reforçará no mundo o anti-semitismo. Condena como ação criminosa o bombardeio de Beirute. Esse homem não quis se tornar cidadão israelense, nem participar do governo de Israel. Nutria a firme convicção de que não haverá futuro para o Estado judeu sem acordo com os árabes.É necessário compreender que Beguin é fruto de uma formação ideológico-política inerente ao Movimento Revisionista criado por Jabotinsky. Esse Movimento adotava a saudação fascista, estilo militar e camisas negras. Um de seus líderes, Aba Haimeir, colaborava no jornal israelense “Doar Hayom” numa seção intitulada “Diário de um Fascista”.Em 1922 Jabotinsky escreve carta entusiasmada a Mussolini. Este em 1924 envia seu representante, Dr. Mancini, à Palestina para conhecer o Partido Fascista Judeu.O Primeiro Congresso do Movimento Revisionista de Jabotinsky-Beguin se realiza em Milão em 1932, tendo como slogan “Ordem Italiana para o Oriente “. Devido o apoio do Movimento Revisionista à guerra de Mussolini contra a Etiópia, a agência noticiosa fascista “Oriente Moderno” saudava o Congresso Revisionista realizado em 1935.A partir de 1935, quando se tornou público o universo concentracionário criado por Hitler e seu anti-semitismo militante, o Movimento Revisionista prudentemente afasta-se de Mussolini. Isso não o impede de organizar na Palestina bando de “fura-greves”, criar uma central sindical paralela com o nome de “Histadruth Aleumit” e praticar terrorismo contra organizações operárias na Palestina. São os culpados pelo assassinato do dirigente sindical operário Alrosoroff. Recrutavam seus membros entre a classe média de origem polonesa, em crise e sensível à demagogia fascista. Jabotinsky e Beguin eram comandantes do “Irgun” e o mentor político do fascismo era o rabino Bar-Ilan, conforme o historiador Yehuda Baer (”The Arab Revolt” vol.9, n.7,Set 1966).Quem sabe isso poderia permitir a compreensão do massacre de palestinos no campo de Chatila, “onde ninguém foi deixado vivo para contar o que aconteceu”. (FSP 19/9, fl. 15).Já no início do século, Judah L. Magnes, presidente da Universidade Hebraica de Jerusalém, desiludido com o jovem Estado de Israel, morria nos EUA, não sem antes advertir profeticamente: “Um Estado judeu só pode ser obtido pela guerra. Falai a um árabe do que quiseres, menos de um Estado judeu. Porque isso significa por definição que os judeus governam outros povos que vivem no Estado judeu. Exorcizado, excomungado, viu o movimento sionista adotar suas idéias. Escrevia ele: ‘Já se viu um povo doar seu território por vontade própria? Os árabes da Palestina não renunciarão sem violência. Conclui J. L. Magnes, essas coisas são adotadas por aqueles que o excomungaram.” (In Essais on Zionism and Jewish-Arab Cooperation, ed. Martin Buber, Jerusalém 1947, págs. 14/21.)Não há povos inocentes ou culpados. O povo de Israel que saiu às ruas para protestar contra o massacre de palestinos não pode ser responsabilizado por um governo genocida, fruto da aliança clerical-fascista.Seria o mesmo que dizer que todos os alemães são nazistas, quando é sabido que o “Holocausto” começou na Alemanha, quando Hitler assassinou 60.000 líderes sindicais alemães.O que favorece o anti-semitismo latente no mumdo é a escalada militar e o genocídio que a acompanha. A crítica pública a essa política é o primeiro dever de quem não renunciou à tradição humanista judaica, presente em Einstein, Hannah Arendt e nos críticos atuais.Tem como um de seus fundamentos um preceito do Rabi Hilel, que, antes do surgimento de Jesus de Nazaré, ensinava: “O que condenas não o faças a outro. Eis toda a Lei, o resto é só comentário.” (Thalmud da Babilônia, cap. Sabath, 31. )
(1) - O correspondente do “Newsweek” em beirute revelou que os israelenses participaram do massacre nos campos de refugiados, encurralando os civis palestinos para que os milicianos libaneses pudessem liquidá-los. (FSP 20/9/82 fl.6). Sem Comentários._______________________________________________________*
Mauricio Tragtenberg é professor do departamento de Ciências Sociais da Escola de Administração de empresas da Fundação Getúlio Vargas em São Paulo e da Universidade Estadual de Campinas, autor de “Burocracia e Ideologia” e “Administração, Poder e Ideologia”.

sábado, 15 de agosto de 2009

Refugiados palestinos no Brasil - descaso e sofrimento

DENÚNCIA PÚBLICA

O dinheiro destinado aos refugiados palestinos não saem do bolso dos brasileiros e sim da ONU. É importantíssimo que essa informação seja tornada pública para desfazer interpretações erradas por parte de alguns. Ademais, o povo palestino não tem um país, pois este lhe foi roubado, forçado por bombardeios e tiros a fugir para dar lugar à instalação do estado de Israel, com o aval do Brasil, inclusive.

A soma a ser aplicada na subsistência e adaptação dos 117 palestinos que chegaram em 2007, conta-se em milhões de dólares, dinheiro mais do que suficiente para que o governo brasileiro criasse uma estrutura eficiente para atendimento aos refugiados até que eles saíssem da situação de risco social em que se encontram, ainda hoje, já no final do prazo previsto para término da ajuda humanitária da ONU.

O programa de reassentamento “solidário” da ACNUR tem validade de dois anos e iria até setembro, outubro e dezembro, dependendo do mês em que foram trazidos para o Brasil, mas, muitos dos refugiados já foram excluídos do programa, indevidamente pela ACNUR. E, não é exagero afirmar que, pela ineficácia do programa, todos eles já estão excluídos desde o início do programa.

Por parte da Cáritas, entidade à qual é atribuída pela ACNUR a aplicação do programa de ajuda humanitária, eles recebem além do descaso, o cinismo, a humilhação, a intimidação e a criminalização. Não são atendidos com atenção e respeito que merece um ser humano, principalmente, em se tratando de pessoas prestes a perderem suas moradias, alguns com sérios problemas de saúde, necessitando de acompanhamento médico e cirurgias e sem perspectivas de conseguirem reconstruir suas vidas, devido às falhas do programa de reassentamento assinado entre o Brasil e a ONU.

Falo como testemunha ocular, e auditiva dos refugiados que estão em Mogi das Cruzes. Ainda ontem fui impedido por força policial, chamada pela Cáritas (pela segunda vez em três dias), para que eu não pudesse acompanhar um refugiado numa conversa com a entidade. Felizmente, levei uma advogada solidária aos palestinos que a cáritas não teve como impedi-la de entrar e participar da conversa.

Algo tem que ser feito com a urgência que o caso requer. A Cáritas de Mogi das Cruzes está agindo arbitrariamente, como se estivesse acima das leis.

terça-feira, 11 de agosto de 2009

Além de não ajudar, agora a Cáritas quer criminalizar os refugiados

Vou relatar um fato muito grave que aconteceu ontem a tarde e peço muita atenção a todos que se solidarizam com a causa dos refugiados palestinos.

A cáritas convocou o Hossam na data de ontem para lá comparecer, sob o pretexto de fazer um reembolso de remédios que o Hossam comprou para sua mãe nesses três meses em que ela esteve entre nós. Foram para lá o Hossam, a Huda, a Aysha e eu, como testemunha. Chegando lá, o que se viu foram tentativas por parte da Cáritas de justificar o injustificável, a mesma ladainha de sempre que os refugiados já estão cansados de ver e ouvir pessoalmente ou através de declarações da entidade na imprensa. Todas as argumentações das duas funcionárias da Cáritas, Shirley e Elisa, eram no sentido de desqualificar as reclamações dos refugiados, mas em nenhum momento se dignaram a perguntar como estava a saúde dos familiares dos palestinos.

Em dado momento, a Aysha irritou-se com a Shirley e segurou-lhe pela blusa, não chegando a consumar-se uma agressão física, mas, mesmo assim, imediatamente a Shirley, foi para outra sala e telefonou para a polícia. Chamei um advogado amigo meu e fomos todos para a delegacia e foi feito um boletim de ocorrência contra a Aysha, constando artigo 21 no B.O.

É importante frisar que a Aysha foi incluida juntamente com a Sra. Nuzha e seu sobrinho de 09 anos de idade no programa de reunião familiar da ACNUR, está há três meses no Brasil sem que até agora tenham ficado prontos os documentos dos três, previstos no Estatuto do Refugiado, não fala nada de português, teve a noticia da morte de seu marido em Gaza quando estava recem chegada em Mogi, perdeu sua irmã Nuzha que faleceu no último dia 27/07 por pura negligência da Cáritas, seu sobrinho tem passado por crises violentas de asma, com o conhecimento e negligência da Cáritas que não tem lhe prestado a assistência devida, não receberam até o momento nenhum pagamento do auxilio subsistência previsto no convênio de reassentamento. A Nuzha era cirurgiada da coluna vertebral e por isso precisava de um colchão ortopédico, mas recebeu da cáritas um colchão de espuma, o que a obrigava a dormir no chão, o que pode ter causado a água nos pulmões que provocou o agravamento dos seus problemas de saúde que a levou à morte.

Foi uma cena fabricada pela cáritas essa de hoje, na tentativa de criminalizar os refugiados palestinos.

Sendo assim, daqui em diante, sabemos que armadilhas como essa são armadas para gerar argumentos contra os palestinos, em represália à ampla cobertura que tem sido dada nos jornais sobre a negligência da Cáritas/ACNUR em relação aos refugiados. A sociedade está de olho!

domingo, 9 de agosto de 2009

Sugestão de amigo para quem ainda acha que os refugiados palestinos estão bem no Brasil

Tente sentir, por um minuto, a situação do povo palestino que tem de fugir da sua terra, expulso pela força de tiros e bombardeios aéreos, depois de ver familiares e amigos seus serem covardemente trucidados pelo exército extremamente sanguinário de Israel.

Uma vez em fuga (alguns apenas com a roupa do corpo), tenta atravessar a fronteira de um país vizinho, que geralmente, naquela região, fica no meio do deserto, e alguns desses países vizinhos lhe impede a passagem.

Não podendo voltar para não ver assassinados os que restaram vivos de sua família e amigos, estaciona ali e passa a viver por anos, da ajuda humanitária da ONU, suportando temperaturas de mais de cinquenta graus durante o dia e abaixo de zero a noite, sob tendas de dez metros quadrados, sob constante ameaça das monstruosas tempestades de areia, cobras e escorpiões do deserto.

Quando o Brasil o resolve acolher, lhe diz ter toda uma estrutura montada que vai lhe permitir reconstruir a vida.

Depois de desembarcados no Brasil, os dias vão passando, a estrutura prometida não funciona, não sai do papel, conforme prometida. Tentam subsistir por conta própria, com a diferença de que nós, pelo menos, falamos português e ele, o árabe.

Sem a estrutura prometida e um auxilio financeiro insuficiente, no dia a dia, aqui, sua opção mais lógica e priorizar a subsistência em detrimento de frequentar as inadequadas e escassas aulas de português e sofre com a impossibilidade de se comunicar para conseguir um emprego, para comprar algo numa loja, para um atendimento médico e o que antes era uma esperança de vida transforma-se em morte, como de fato se transformou por duas vezes, nesses 22 meses que estão em Mogi e alguns estão doentes e, repito: sem assistência médica. - A estrutura prometida não previu que eles precisariam de tradutores?

Sofre por ter de carregar o estigma de refugiado, sofre com a rejeição de muitos da sociedade local que não conhecem sua história, ou conhece apenas a versão apresentada pelos covardes invasores da sua terra, e por isso o rejeita. Sofre com a rejeição (ainda que velada) de um povo que não conhece seu idioma, sua religião, sua cultura totalmente diferentes da nossa.

Depois, descobre que se tornou refém, durante dez anos proibido de sair do Brasil, no caso de não ser possível se adaptar na nossa sociedade, o que normalmente acontece quando um refugiado de lingua árabe é enviado para um país de lingua latina.

Essa é a saga do povo palestino, a maior etnia de refugiados do mundo, a maior catástrofe humanitária da história, causada pela bestialidade humana. E quem os procurar conhecer, verá que são pessoas respeitosas, gentis e amigas verdadeiras.

Minha sugestão a todos que não conhecem a verdadeira história da catástrofe que vive o povo palestino é que procurem conhecer os refugiados, ouça sua versão para não ficar apenas com a versão dos seus algozes.

Vocês terão nos palestinos os melhores amigos de suas vidas.

sábado, 1 de agosto de 2009

Mogi News publica com coerência a situação dos refugiados


"é muito fácil entoar uma lição de moral sentado num gabinete luxuoso e com ar condicionado de Brasília, enquanto pessoas traumatizadas por guerras e perseguições de todos os tipos enfrentam, como podem, a dificuldade de hábitos , língua e clima diferentes daqueles da terra de origem"


Após a morte da Sr. Nusha, não foi possível mais fingir que nada está acontecendo na cidade. Mogi das Cruzes é considerada por muitas pessoas com uma cidade de 'coronéis', uma província dominada por poucos, com duas empresas de transporte que cobram uma das passagens mais altas do Brasil ( R$ 2,50 para andar de Onibus, às vezes, nem cinco minutos), e claro, com uma imprensa defensora da elite local. No entanto, pra surpresa de todos, o jornal Mogi News vem publicando uma série de reportagens sobre a situação dos refrugiados, de uma maneira honesta, inclusive com uma matéria de capa.
No dia 30/07/09, o Mogi News publicou o direito de resposta a Luís Fernando Godinho, oficial de uma informação pública do ACNUR Brasil, que ausou o jornal de "não apenas divulgar informações incorretas como também ignorar as mais elementares práticas do bom jornalismo", além de negar que os palestinos não estavam sendo assistidos pela entidade, Godinho falou que "as assistentes sociais da Cáritas foram informadas sobre a internação da Sr. Nusha, no dia 27/07 e que a oferta de acompanhamento naquele dia foi desconsiderada por seus familiares". Mentira. Como não sabem falar português, jamais recusariam ajuda, tanto que pessoas ligadas ao Comitê largaram o que estavam fazendo para acompanhar a situação e intermediar a conversa entre os familiares de Nusha e os médicos.
A redação do jornal combateu às críticas de Godinho, de maneira contundente dizendo que é estranho que um oficial de informação de uma entidade internacional acuse o jornal, mesmo após o jornal ter publicado de maneira integral "sua resposta superficial e distante da dura realidade em que vivem os refugiados, que lutam em Mogi das Cruzes contra todas as dificuldades e diante do descaso do ACNUR". A redação do jornal completa sua crítica dizendo que "é muito fácil entoar uma lição de moral sentado num gabinete luxuoso e com ar condicionado de Brasília, enquanto pessoas traumatizadas por guerras e perseguições de todos os tipos enfrentam, como podem, a dificuldade de hábitos , língua e clima diferentes daqueles da terra de origem".
Acompanhe as matérias, em ordem cronológica nos links abaixo:

http://www.moginews.com.br/materia.aspx?id=38405

http://www.moginews.com.br/materia.aspx?id=38494

http://www.moginews.com.br/materia.aspx?id=38582

http://www.moginews.com.br/materia.aspx?id=38585

http://www.moginews.com.br/materia.aspx?id=38726

Anomalia Caótica