Não patrocine massacres. Boicote produtos israelenses.

Não patrocine massacres. Boicote produtos israelenses.

sábado, 1 de agosto de 2009

Mogi News publica com coerência a situação dos refugiados


"é muito fácil entoar uma lição de moral sentado num gabinete luxuoso e com ar condicionado de Brasília, enquanto pessoas traumatizadas por guerras e perseguições de todos os tipos enfrentam, como podem, a dificuldade de hábitos , língua e clima diferentes daqueles da terra de origem"


Após a morte da Sr. Nusha, não foi possível mais fingir que nada está acontecendo na cidade. Mogi das Cruzes é considerada por muitas pessoas com uma cidade de 'coronéis', uma província dominada por poucos, com duas empresas de transporte que cobram uma das passagens mais altas do Brasil ( R$ 2,50 para andar de Onibus, às vezes, nem cinco minutos), e claro, com uma imprensa defensora da elite local. No entanto, pra surpresa de todos, o jornal Mogi News vem publicando uma série de reportagens sobre a situação dos refrugiados, de uma maneira honesta, inclusive com uma matéria de capa.
No dia 30/07/09, o Mogi News publicou o direito de resposta a Luís Fernando Godinho, oficial de uma informação pública do ACNUR Brasil, que ausou o jornal de "não apenas divulgar informações incorretas como também ignorar as mais elementares práticas do bom jornalismo", além de negar que os palestinos não estavam sendo assistidos pela entidade, Godinho falou que "as assistentes sociais da Cáritas foram informadas sobre a internação da Sr. Nusha, no dia 27/07 e que a oferta de acompanhamento naquele dia foi desconsiderada por seus familiares". Mentira. Como não sabem falar português, jamais recusariam ajuda, tanto que pessoas ligadas ao Comitê largaram o que estavam fazendo para acompanhar a situação e intermediar a conversa entre os familiares de Nusha e os médicos.
A redação do jornal combateu às críticas de Godinho, de maneira contundente dizendo que é estranho que um oficial de informação de uma entidade internacional acuse o jornal, mesmo após o jornal ter publicado de maneira integral "sua resposta superficial e distante da dura realidade em que vivem os refugiados, que lutam em Mogi das Cruzes contra todas as dificuldades e diante do descaso do ACNUR". A redação do jornal completa sua crítica dizendo que "é muito fácil entoar uma lição de moral sentado num gabinete luxuoso e com ar condicionado de Brasília, enquanto pessoas traumatizadas por guerras e perseguições de todos os tipos enfrentam, como podem, a dificuldade de hábitos , língua e clima diferentes daqueles da terra de origem".
Acompanhe as matérias, em ordem cronológica nos links abaixo:

http://www.moginews.com.br/materia.aspx?id=38405

http://www.moginews.com.br/materia.aspx?id=38494

http://www.moginews.com.br/materia.aspx?id=38582

http://www.moginews.com.br/materia.aspx?id=38585

http://www.moginews.com.br/materia.aspx?id=38726

Anomalia Caótica

4 comentários:

Anônimo disse...

Realmente é de se estranhar que esse jornal dê essa cobertura ao caso, pois todos sabem qual é o verdadeiro papel dela, que é defender sempre e cada vez mais, o interesse da burguesia...

Anônimo disse...

Discordo que o jornal Mogi News defenda o interesse da burguesia. Acompanho o material a tempo e acho que o principal objetivo é relatar com clareza a realidade mogiana. Parabéns à toda a equipe do Mogi News.!!

Mariana Endoro disse...

Nossa, o primeiro comentário vale tanto que a pessoa nem quis se identificar...

Basílio disse...

Enquanto tem gente que fala que a mídia é o quarto poder, eu acho que é o primeiro:mídia, legislativo, executivo e judiciário.Acredito que a mídia tem um grande papel na sociedade, mas está extremamente ligada à vários interesses, sobretudo dos anunciantes. Tenho minhas dúvidas se o Mogi News daria a mesma cobertura se o CÀRITAS/ACNUR fossem grandes anunciantes...acredito até que teriam vontade de fazê-lo, mas não seriam permitidos...