Não patrocine massacres. Boicote produtos israelenses.

Não patrocine massacres. Boicote produtos israelenses.

sábado, 15 de agosto de 2009

Refugiados palestinos no Brasil - descaso e sofrimento

DENÚNCIA PÚBLICA

O dinheiro destinado aos refugiados palestinos não saem do bolso dos brasileiros e sim da ONU. É importantíssimo que essa informação seja tornada pública para desfazer interpretações erradas por parte de alguns. Ademais, o povo palestino não tem um país, pois este lhe foi roubado, forçado por bombardeios e tiros a fugir para dar lugar à instalação do estado de Israel, com o aval do Brasil, inclusive.

A soma a ser aplicada na subsistência e adaptação dos 117 palestinos que chegaram em 2007, conta-se em milhões de dólares, dinheiro mais do que suficiente para que o governo brasileiro criasse uma estrutura eficiente para atendimento aos refugiados até que eles saíssem da situação de risco social em que se encontram, ainda hoje, já no final do prazo previsto para término da ajuda humanitária da ONU.

O programa de reassentamento “solidário” da ACNUR tem validade de dois anos e iria até setembro, outubro e dezembro, dependendo do mês em que foram trazidos para o Brasil, mas, muitos dos refugiados já foram excluídos do programa, indevidamente pela ACNUR. E, não é exagero afirmar que, pela ineficácia do programa, todos eles já estão excluídos desde o início do programa.

Por parte da Cáritas, entidade à qual é atribuída pela ACNUR a aplicação do programa de ajuda humanitária, eles recebem além do descaso, o cinismo, a humilhação, a intimidação e a criminalização. Não são atendidos com atenção e respeito que merece um ser humano, principalmente, em se tratando de pessoas prestes a perderem suas moradias, alguns com sérios problemas de saúde, necessitando de acompanhamento médico e cirurgias e sem perspectivas de conseguirem reconstruir suas vidas, devido às falhas do programa de reassentamento assinado entre o Brasil e a ONU.

Falo como testemunha ocular, e auditiva dos refugiados que estão em Mogi das Cruzes. Ainda ontem fui impedido por força policial, chamada pela Cáritas (pela segunda vez em três dias), para que eu não pudesse acompanhar um refugiado numa conversa com a entidade. Felizmente, levei uma advogada solidária aos palestinos que a cáritas não teve como impedi-la de entrar e participar da conversa.

Algo tem que ser feito com a urgência que o caso requer. A Cáritas de Mogi das Cruzes está agindo arbitrariamente, como se estivesse acima das leis.

Nenhum comentário: