Não patrocine massacres. Boicote produtos israelenses.

Não patrocine massacres. Boicote produtos israelenses.

terça-feira, 25 de agosto de 2009

Premier palestino apresenta programa para Estado palestino em 2011

RAMALLAH, Cisjordânia (AFP) - O primeiro-ministro palestino Salam Fayyad apresentou nesta terça-feira um programa de ação do governo que prevê a criação de um Estado palestino até 2011, sem esperar os resultados das negociações com Israel, que rejeitou qualquer proclamação unilateral.

"Devemos atuar para continuar com a edificação de um Estado, apesar da ocupação e para acabar com esta", declarou Fayyad depois de ler o programa de seu governo em Ramallah.
"A criação de um Estado palestino soberano é indispensável para a segurança e a estabilidade de nossa região. Apesar de sermos conscientes da ameaça que representa a continuidade da colonização israelense para a solução baseada em dois Estados, nosso governo segue fiel aos programas da OLP e da Autoridade Palestina para criar o Estado independente com Jerusalém como capital e nas fronteiras de 1967, nos próximos dois anos", completou Fayyad.
O programa apresentado por Fayyad define "os objetivos e as ações que encabeçam as prioridades da Autoridade Palestina para os próximos dois anos", em aspectos que vão desde a segurança às infraestruturas, passando pela justiça e os serviços sociais.
No âmbito das infraestruturas, o documento prevê, entre outras coisas, a reconstrução do único aeroporto palestino em Rafah (sul da Faixa de Gaza), bombardeado em várias oportunidades por Israel durante a Intifada.
"Estou confiante. Nosso povo apoiará estes objetivos com sua solidariedade e sua determinação de acabar com a ocupação e estabelecer seu Estado independente, vamos triunfar", prometeu Fayyad.
"A criação de um Estado palestino nos próximos dois anos é um dever e uma tarefa realizável", insistiu.
Também insistiu na celebração de novas eleições gerais nos territórios palestinos em janeiro de 2010.
No entanto, o ministro israelense das Finanças, Yuval Steinitz, qualificou as declarações de Fayyad de "decepcionantes".
"As palavras dele vão contra os acordos assinados entre as duas partes. Não há espaço para decisõs unilaterais nem ameaças. É evidente que um Estado palestino, qualquer que seja sua forma, não se concretizará se os imperativos de segurança de Israel não forem levados em consideração", afirmou Steinitz.
O premier israelense Benjamin Netanyahu aceitou em 14 de junho o princípio de uma solução baseada na criação de um Estado palestino, mas apresentando ao mesmo tempo uma série de condições que impediam uma verdadeira soberania.

Nenhum comentário: