Não patrocine massacres. Boicote produtos israelenses.

Não patrocine massacres. Boicote produtos israelenses.

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

Apresentação de dois vídeos sobre os palestinos reassentados no Brasil

O Cineclube Lunetim Mágico realiza todo o último sábado
de cada mês seu projeto de exibição de curtas-metragens
independentes.

Participe.

Realizadores, façam contato, envie-nos seu vídeo.

CINECLUBE LUNETIM MÁGICO
CENTRO CINECLUBISTA DE SÃO PAULO

CONVIDAM PARA A SESSÃO DE FILMES INDEPENDENTES

Sábado, 25 de Setembro - 18:30 horas
GRÁTIS


RUA AUGUSTA 1239, 1º. ANDAR, CONJUNTOS 13 E 14
(EM FRENTE AO BAR IBOTIRAMA)

programação:
A Chave da Casa - Documentário 64 minutos
Retrata a saga de palestinos perseguidos na guerra do Iraque e acolhidos
pelo Brasil.

Direção: Paschoal Samora, Stela Grisotti

=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-==-=-=
Filhos de Nakba Documentário 20 minutos
Coordenação: Profa. Ms. Cecília Luedemann
Entrevistas de palestinos que vivem hoje em Mogi das Cruzes.

Realizadores debatem suas produções.
Bate papo + Música
Mais Informações:

lunetim@hotmail.com

11 – 3214.3906 / 7038.6836 / 6181-2405

Apoio:
www.bangalo.estantevirtual.com.br
www.teartecer.blogspot.com

terça-feira, 14 de setembro de 2010

Falecimento da Sra. Rhameh Shaaban Al Hamidi

Com profundo pesar, informo que morreu ontem, 13/09, a Sra. Rhameh Shaaban Al Hamidi, a sexta vítima fatal do descaso do programa de reassentamento solidário que trouxe 117 refugiados palestinos para o Brasil em 2007.

No início deste ano a Sra. Rhameh recebeu a informação de que seu RNE estava pronto e que ela deveria ir a São Paulo, na polícia federal, no bairro da Lapa, para retirá-lo.

Um de seus filhos a levou de trem, mas chegando lá não pode retirar o tão esperado documento porque uma letra do seu nome estava escrito incorretamente.

Talvez pelo aborrecimento que passou, durante a viagem de volta, começou a sentir fortes dores abdominais e, chegando na estação de Mogi das Cruzes, foi levada diretamente para o hospital, onde descobriu-se que ela estava com câncer, daí em diante sua saúde começou a se deteriorar rapidamente.

Ás últimas semanas foram de uma agonia terrível para ela. Já não conseguia se alimentar, sentia fortíssimas dores e os medicamentos, bem como a quimioterapia já não faziam efeito.

O sepultamento ocorreu na tarde de 13/09, no cemitério islâmico de Guarulhos.

Numa merecida homenagem a Sra. Rhameh, colo abaixo o link de um vídeo que encontrei no You Tube a poucos dias, gravado quando os palestinos que em poucos dias seriam trazidos para Mogi das Cruzes ainda se encontravam no Campo de Ruweished, deserto da Jordânia, onde aparece a Sra. Rhameh, juntamente com sua família.

http://www.youtube.com/watch?v=nnSBMt1kQgM&NR=1&feature=fvwp

sábado, 11 de setembro de 2010

Os judeus do Irão vivem muito melhor do que os palestinos de Gaza

Há 25 mil judeus no Irã. É a maior população judaica no Oriente Médio fora de Israel. Os judeus iranianos não são perseguidos nem sofrem abusos do estado; de fato, estão protegidos sob a constituição iraniana. São livres para praticar sua religião e para votar nas eleições. Não são parados e revistados em checkpoints, não são brutalizados por um exército de ocupação e não estão confinados numa colônia penal densamente povoada (Gaza) onde sejam privados dos meios básicos de subsistência. Os judeus iranianos vivem dignamente e gozam dos benefícios da cidadania.

O presidente iraniano Mahmoud Ahmadinejad é demonizado pela mídia ocidental. É chamado de anti-semita e de "novo Hitler". Mas se essas alegações fossem verdade, então porque a maioria dos judeus iranianos votou em Ahmadinejad nas recentes eleições presidenciais? Será possível que a maior parte do que se sabe sobre Ahmadinejad seja baseado apenas em boatos e em propaganda?

Este trecho apareceu num artigo da BBC:
"O gabinete (de Ahmadinejad) fez recentemente uma doação monetária para o Hospital Judaico de Teerã. É um dos quatro únicos hospitais judaicos de caridade no mundo e foi fundado com dinheiro da diáspora judaica – coisa notável no Irã onde mesmo as organizações locais de ajuda têm dificuldade em receber fundos do estrangeiro por medo de serem acusados de agentes estrangeiros".
Quando foi que Hitler alguma vez doou dinheiro para hospitais judeus? A analogia com Hitler é uma tentativa desesperada de lavagem cerebral aos americanos. Nada nos diz sobre quem realmente é Ahmadinejad.

As mentiras sobre Ahmadinejad não são diferentes das mentiras sobre Saddam Hussein ou Hugo Chávez. Os EUA e Israel estão tentando criar uma justificação para outra guerra. É por isso que a mídia credita a Ahmadinejad coisas que ele realmente nunca disse. Ele nunca disse que quer "varrer Israel do mapa". Essa é mais uma ficção. O autor Jonathan Cook explica o que disse realmente o presidente:
"Este mito tem sido interminavelmente reciclado desde que ocorreu um erro de tradução num discurso de Ahmadinejad dois anos atrás. Especialistas em farsi atestaram que o presidente iraniano, longe de ameaçar com a destruição de Israel, estava citando um antigo discurso do Aiatolá Khomeini no qual ele reassegura aos apoiadores da Palestina que "o regime sionista em Jerusalém" iria "desaparecer das páginas do tempo".

Ele não estava ameaçando exterminar judeus ou Israel. Estava comparando a ocupação israelense da Palestina com outros sistemas ilegítimos cujo tempo havia passado, incluindo os xás que outrora governaram o Irã, o apartheid na África do Sul e o império [NR] soviético. Não obstante, a tradução errônea sobreviveu e prosperou porque Israel e seus apoiadores a exploraram para seus próprios propósitos de propaganda" ("Israel's Jewish problem in Tehran", Jonathan Cook, The Electronic Intifada)
Ahmadinejad não representa qualquer ameaça para Israel ou para os EUA. Como todos no Oriente Médio, ele quer apenas um alívio da agressão israelense e norte-americana.

Isto é da Wikipedia:
"O Departamento de Estado dos EUA tem alegado discriminação no Irã contra judeus. De acordo com seu estudo, os judeus não podem ocupar posições importantes no governo e estão proibidos de servir nos serviços judiciário e de segurança e de tornar-se diretores de escolas públicas. O estudo diz que cidadão judeus podem obter passaportes e viajar para fora do país, mas a eles são freqüentemente negadas as permissões de múltiplas saídas normalmente concedidas a outros cidadãos. As alegações feitas pelo Departamento de Estado norte-americano foram condenadas pelos judeus iranianos. A Associação de Judeus de Teerã diz numa declaração, "nós judeus iranianos condenamos as declarações do Departamento de Estado dos EUA sobre as minorias religiosas iranianas, anunciamos que estamos totalmente livres para executar nossos deveres religiosos e não sentimos nenhuma restrição para realizar nossos rituais religiosos".
Em quem deveríamos acreditar: nos judeus que realmente vivem no Irã ou nos encrenqueiros do Departamento de Estado norte-americano?

Há seis açougues kosher, 11 sinagogas e diversas escolas hebraicas em Teerã. Nenhum funcionário de Ahmadinejad nem de qualquer outro governo iraniano fez qualquer tentativa de fechar essas instalações. Nunca. Judeus iranianos são livres para viajar (ou mudar-se) para Israel se assim o desejarem. Não estão aprisionados por um exército de ocupação. Não estão privados de alimentos ou remédios. Seus filhos não crescem com doenças mentais originadas do trauma da violência esporádica. Suas famílias não são atingidas por barcos armados atirando enquanto circulam nas praias. Seus apoiadores não são esmagados por escavadeiras ou atingidos na cabeça por balas de borracha. Não são atingidos por gás ou espancados quando fazem demonstrações pacíficas por suas liberdades civis. Seus líderes não são caçados e assassinados premeditadamente.

Roger Cohen escreveu um ensaio bastante cuidadoso sobre este tema para o New York Times. Diz ele:
"Talvez eu seja um pouco tendencioso em relação aos fatos mais do que a palavras, mas digo que a realidade da civilidade iraniana acerca dos judeus nos diz mais sobre o Irã – seu refinamento e cultura – que toda retórica inflamada. Isso pode ser devido a eu ser judeu e ter sido freqüentemente tratado com tanta gentileza no Irã. Ou talvez eu esteja impressionado com a fúria contra Gaza, trombeteada em posters e na TV iraniana, nunca se ter convertido em insultos ou violência contra judeus. Ou talvez seja porque eu esteja convencido de que a caricatura do Irã como "o Mullah Doido" e a comparação de qualquer vínculo com Munich em 1938 – uma posição popular em alguns círculos judaicos norte-americanos – seja incorreta e perigosa". ("What Iran's Jews Say", Roger Cohen, New York Times )

As coisas não são perfeitas para os judeus que vivem no Irã, mas são melhores do que para os palestinos que vivem em Gaza. Muito melhor.

18/Agosto/2010
[*] fergiewhitney@msn.com

[NR] A expressão é do sr. Cook. A URSS nunca foi um império.

O original encontra-se em http://www.counterpunch.org/whitney08182010.html . Tradução de RMP.

Exte texo foi extraído na íntegra de: http://resistir.info/

terça-feira, 7 de setembro de 2010

Sarau Lundu - dia 11 - 19h - Casa de Cultura Raul Seixas

http://almaambiental.blogspot.com/2010/09/sarau-lundu-casa-de-cultura-raul-seixas.html

SARAU LUNDU - A arte como Resistência Cultural
Local: Rua Murmúrios da Tarde, 211 - Parque Raul Seixas - Itaquera - São Paulo

O Sarau Lundu é uma iniciativa da organização ALMA Ambiental dentro do projeto Ponto de Cultura CohabitArte, realizado em parceria com o Coletivo Libertário Trinca, que apóia famílias palestinas em situação de exílio e com o Ponto de Cultura CAMI que apoia os migrantes latinos.

A data 11 de setembro foi marcada pela tragédia ocorrida com as torres gêmeas nos Estados Unidos. E a partir desta lembrança propomos uma reflexão sobre as guerras que ainda fazem parte do cotidiano de muitos povos, e o povo homenageado neste sarau é o povo Palestino!

O evento é de cunho sociocultural que tem como objetivo, além de fortalecer a produção cultural local por meio do encontro entre artistas profissionais de vários seguimentos e localidades que representam as inúmeras formas de resistir culturalmente, apoiaremos essas famílias palestinas antes de tudo no acolhimento, uma re-união de povos em prol de uma cultura paz.

Programação

O olhar

- Exposição da fotógrafa Jennifer Balcomben - Ambientação de Samara Costa
- Vídeo interação com o filme “A Chave da Casa”

A dança e o verbo

- Dialógica Cia de Dança
- Fragmento Popol Vuh - com Leticia Leal e Raphael Sant'anna. ( cena inspirada no espetáculo teatral "POPOL VUH - primeiros cantos da escrita do Deus", da Escola Livre de Teatro )

- Quântica Teatro Laboriatório

- Cia Mapiguary- com o conto “O marido da mãe d’água”

- Demonstração de Kenpo Indiano com Mavu Tsnin

- Alexandre Aguipe- com a intervenção “SHAPE”

- Danças e cantos indígenas- Com o índio Buu Tukano

- Poesia Palestina de Combate- Coletivo TRINCA

- Renata Ribeiro- Vermelhos, pretos e Brancos

Músicas dos povos

- O Corpo da Terra- Com Dani Boni e Mavu Tsnim
(musica experimental)

- Engrenagem Urbana, Samuel Porfírio e Maria Elvira
(Hip Hop e MPB Alternativo)

- Fernando Reche e Pablo Zuniga- Musica Instrumental Boliviana
(Vencedor do prêmio Charango de Outro Internacional)

- Grupo Sakura Fubuki – Apresentação de Taikô- Tambores Japoneses
Arthur Philiphi- Música Erudita

-Jackson Ricarte- Viola Caipira

- Ibaque- Nesse encontro, através da música, o grupo contará algumas histórias de povos brasileiros e suas resistências superadas pela sua cultura. Numa linha do tempo passarão por algumas células rítmicas básicas que elegem como referência e seus respectivos movimentos embalados pela vibração do couro que mantém a ligação com a terra vencendo o próprio tempo.

sábado, 4 de setembro de 2010

BDS, o boicote internacional a Israel

Quem tem mais de 30 anos decerto se lembra do boicote internacional ao regime do apartheid da África do Sul. Essa campanha abalou a economia do país africano, obrigou-o a pôr um fim ao racismo e a elaborar uma nova legislação, que garantiu os direitos da população negra -- até então marginalizada pelos sucessivos governos, confinada a guetos, impossibilitada de exercer direitos civis.
O boicote a Israel tem o mesmo objetivo: acabar com o regime que impede aos palestinos os direitos civis, que impôs o bloqueio a Gaza, que ocupa as terras palestinas para anexá-las ilegalmente a Israel, que constroi o Muro da Vergonha.
Chamado BDS, sigla em inglês para para Boicote, "Desinvestimento" e Sanções (Boycott, Divestment, and Sanctions), o movimento é forte na Europa e nos Estados Unidos. Pessoas físicas, distribuidoras, supermercados, universidades e empresas de diversas áreas deixaram de comprar produtos produzidos em Israel ou de empresas israelenses instaladas em terras palestinas. Também evitam comprar produtos que, direta ou indiretamente, financiam e apoiam a violência contra os palestinos -- caso da Cartepillar, cujas escavadeiras são utilizadas para destruir casas de famílias palestinas.

Os resultados têm sido animadores. As vendas da Coca-Cola, por exemplo, caíram tanto no Oriente Médio que uma empresa local de refrigerantes ocupou esse espaço e hoje já exporta para o mercado europeu. Muitas companhias israelenses instaladas de modo ilegal nas áreas de ocupação (território palestino) tiveram de fechar as portas, por falta de compradores para seus produtos.

Há também o boicote cultural, acadêmico e esportivo, apoiado por nomes famosos. Elvis Costello chegou a escrever uma carta emocionante, afirmando não pisar em Israel para não compactuar com a tragédia imposta aos palestinos. Intelectuais de todas as partes do mundo deixaram de atender convites para palestras e visitas a Israel.

Para quem ainda não sabe, os palestinos são proibidos, entre outras coisas, de entrar em Israel. Precisam, para isso, de um salvo-conduto, em geral negado ou recolhido sem nenhuma explicação. Por isso, atividades comuns como visitar parentes, ir à escola ou à universidade, procurar auxílio médico em hospitais são praticamente proibidas aos palestinos, literalmente presos no pouco espaço que lhes restou depois que Israel invadiu a Palestina, nos anos 1940.
Os palestinos tampouco podem circular pelas estradas abertas em seu território pelo governo de Israel. Modernas e asfaltadas, são exclusivas para israelenses. Aos palestinos restam estradinhas de terra batida, esburacadas, sem iluminação.

A água e a energia elétrica são racionadas, pelas autoridades de Israel, aos palestinos, ao passo que os cidadãos israelenses as têm à vontade. É comum ver crianças palestinas tomando água em baldes, pois as torneiras de suas casas estão secas, enquanto, a poucos metros dali, em casas luxuosas, israelenses aproveitam suas piscinas -- cheias, evidentemente. Também é comum, à noite, ver casas palestinas às escuras, enquanto as luzes das residências israelenses ofuscam o olhar.

Essa situação tem um nome: apartheid. Racismo. Intolerância. Violação aos direitos humanos fundamentais.


Como participar do BDS
Se você pretende aderir à campanha, observe, quando for comprar um produto, o código de barras estampado na embalagem ou na etiqueta. Se o código for iniciado com os números 729, não compre. Eles indicam produtos fabricados em Israel.


Se você quiser boicotar também produtos dos EUA e do Reino Unido -- que apoiam diretamente, com dinheiro e armas, a opressão aos palestinos --, atente para os números iniciais 00-09 (EUA) e 50 (Reino Unido). E não compre produtos cujo código de barras comece com esses algarismos.

Há companhias que financiam o regime israelense do apartheid, colaborando para a violação dos direitos dos palestinos. Evite comprar produtos dessas empresas. Espalhe para suas listas de discussão, para seu cadastro (mailing), para os amigos, familiares, vizinhos, conhecidos. Ao adquirir um produto dessas empresas, estaremos compactuando com a opressão aos palestinos -- nosso dinheiro, na forma de lucro, será enviado para manter o regime racista de Israel.

Para saber mais, baixar material para trabalhar pela causa, conhecer o que rola no mundo:
Inminds
Stop the Wall
Global BDS Movement

NÃO COMPRE PRODUTOS DESTAS EMPRESAS (ELAS FINANCIAM O REGIME DE APARTHEID DE ISRAEL):





Copie as imagens e cole em seu blogue, no twitter, no Facebook, no Orkut, em todas as redes web das quais você faz parte. Vamos ajudar a acabar com o apartheid de Israel e demonstrar nosso apoio aos direitos humanos, retirados do povo palestino pelas autoridades sionistas.













Agradecimentos à Fonte: