Não patrocine massacres. Boicote produtos israelenses.

Não patrocine massacres. Boicote produtos israelenses.

quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

Importações da China destroçam a economia palestina


Publicado em El País, 03/08/2008


Importações da China destroçam a economia palestina

Ana Carbajosa
Em Jerusalém

Há 41 anos, Abdelaziz El Karaki tece os típicos lenços palestinos ("kufias") em uma fábrica decadente em Hebron, a única em toda Gaza e Cisjordânia. El Karaki viu o negócio evoluir ao ritmo dos acontecimentos políticos. Na primeira Intifada, nos anos 1980, cobrir o rosto com o lenço palestino se transformou em símbolo de resistência e as vendas dispararam, enquanto nos períodos mais tranqüilos as receitas diminuíram. Mas nenhum acontecimento político atingiu tanto a fábrica de Karaki quanto a chegada aos territórios de lenços "made in China", a preços com os quais não consegue concorrer. "Antes esta fábrica dava de comer a 50 pessoas, agora trabalho sozinho e apenas algumas horas. Se continuar assim, logo terei de fechar", lamenta Karaki, tendo como pano de fundo o matraquear de quatro das 15 vetustas máquinas da indústria.

Desmoralizado, Yasir Hamad Hirbawi, o dono da fábrica, confirma a tese de seu empregado enquanto fuma com parcimônia no armazém onde guarda milhares de kufias, na esperança de um dia poder vendê-las. "Nas décadas em que trabalhei como empresário, nunca vi uma mudança tão grande", afirma. "Estamos resistindo, queremos sobreviver e produzir na Palestina, mas..."

Os lamentos de Hirbawi se repetem em todo o território palestino, principalmente em Hebron, seu parque industrial. A chegada das importações chinesas deu o pontapé em uma economia debilitada em boa parte pelas restrições à liberdade de movimentos de trabalhadores e mercadorias impostas por Israel e sua rede de postos de controle, como indicou o Banco Mundial em seu último relatório.

Foram-se os tempos dos famosos sapatos, vidros e têxteis de Hebron. A etiqueta "made in China" entrou nos territórios como um rolo compressor, causando o fechamento de fábricas e a demissão de milhares de trabalhadores. Os números coletados pela Câmara de Comércio de Hebron indicam que, das 120 fábricas têxteis que havia antes de 2000, hoje ficam somente dez e que dos 10 mil trabalhadores empregados pelo setor de calçados só 2.500 conseguiram manter o emprego. O restante passou a engordar a cifra do desemprego, que beira os 32%, segundo dados oficiais.

É verdade que o caso palestino não é um fenômeno isolado, que a locomotiva chinesa não conhece fronteiras, mas os palestinos empobrecidos - com receitas que beiram os US$ 1 mil anuais per capita - são especialmente propensos a consumir produtos baratos, seja quem for o fabricante. "A ocupação destruiu a economia das famílias, que agora começam a comprar produtos chineses baratos", explica Jales Osaily, prefeito de Hebron, para quem sobreviver aos vaivéns da globalização é tão preocupante quanto resistir à ocupação israelense.

Osaily, membro da chamada Terceira Via palestina, o partido minoritário criado em torno do primeiro-ministro Salam Fayyad, acredita que a única solução é se concentrar no desenvolvimento tecnológico e no setor de serviços. Como explicou ao ex-primeiro-ministro britânico Tony Blair, enviado especial da comunidade internacional ao Oriente Médio, sua idéia é montar zonas francas em Hebron que atraiam os investidores estrangeiros e que sejam capazes de concorrer com a produção chinesa, graças aos acordos de isenção fiscal que a Autoridade Palestina mantém com os EUA e a União européia. "Mas tudo isso só será possível se melhorar a liberdade de movimento dos palestinos", afirma em seu elegante escritório na prefeitura.

Na sede da Câmara de Comércio de Hebron, seu diretor Maher Haimuni conta que, apesar do desembarque de importações chinesas "ter destruído nossa economia", alguns poucos, mais ousados, souberam tirar partido da nova realidade e embarcaram no trem das importações. São centenas de hebronitas que viajam regularmente à província chinesa de Guangdong para fazer negócios e comprar mercadorias.

Haimuni conta que o cônsul chinês em Ramala se desloca até Hebron, onde assina centenas de vistos de uma vez. Alguns empresários palestinos acabam morando na China e outros, embora já casados, aproveitam as viagens de negócios para se casar com chinesas, recorrendo à poligamia que o islamismo permite. Os rumores sobre casamentos de hebronitas com chinesas percorrem os territórios palestinos como pólvora.

Hamed Shawar afirma que ele não tem outra mulher na China, apesar de ter sido dos primeiros a se aventurar no mercado asiático e a cada dois meses viajar à Ásia para controlar o andamento de seus negócios. Hoje administra um próspero comércio de lenços, no qual as importações substituíram progressivamente a produção local. "Foi muito triste a decisão de deixar de produzir aqui. Tínhamos 30 trabalhadores e agora restam só dez, que nem sequer me fazem falta. Prefiro os chineses. Se não fosse por suas famílias, os demitiria", confessa sem rodeios em sua loja no centro de Hebron, no meio de sutiãs e túnicas ao gosto palestino, mas, sim, fabricados na China.

Tradução: Luiz Roberto Mendes Gonçalves
Visite o site do El País

segunda-feira, 26 de janeiro de 2009

SARAU PALESTINA LIVRE

COLETIVO TRINCA APRESENTA:

SARAU EM PRÓL DA CAUSA PALESTINA

ATRAÇÕES:

  • APRESENTAÇÃO MÚSICAL PALESTINA
  • VÍDEOS
  • DEPOIMENTO DOS REFUGIADOS
  • POESIAS
  • EXPOSIÇÃO DE FOTOGRAFIAS DE JENNIFER BALCOMBE (FOTÓGRAFA INGLESA PRESENTE EM GAZA NOS DIAS DE CONFLITO!)
  • VENDA DE COMIDAS TÍPICAS (FALAFÉL)

  • ONDE?

Na Subsede da Apeoesp de Mogi das Cruzes.

Rua Hamilton Silva Costa, 427, Mogilar, Mogi das Cruzes - (Próximo à estação central de Mogi)

  • QUANDO?

Dia 14 de fevereiro de 2009, às 16H

quarta-feira, 21 de janeiro de 2009

Artigo pró Israel baseado em mentiras!


Em 19 de janeiro de 2009, com o "cessar-fogo" quase que definido, o jornal Estado de São Paulo, em seu site, na parte de opinião, publicou um artigo de Dennis Lerrer Rosenfield, (professor de Filosofia da UFRGS), intitulado Falsos Humanistas em que, dentre outras coisas, contesta a diferença entre "sionismo" e "semitismo" feita pelo Hamás, por alguns intelectuais(que segundo ele não usam o intelecto - Norman G. Finkelstein, Noam Chomsky, Jeff Halper, Gerson Kinnispel estão todos errados), por setores do jornalismo - a mídia quase toda deturpa as infromações em favor de Israel, se uma parte faz o contrário, é passível de crítica mesmo - e pelo PT ( que só quer aparecer fazendo pose de esquerda pra conseguir uns votinhos, assim como todos os partidos políticos), dizendo que a crítica ao sionismo é uma demonstração antissemita. Semita, de acordo com o ponto de vista dele, refere-se ao judaísmo. Com essa lógica ele se iguala àqueles que pregam o ódio incondicional aos judeus, mesmo os defendendo. E se de acordo com esse raciocínio não há diferença entre o movimento sionista e o povo semita, alguém pode supor que os judeus/semitas estão há 60 anos sufocando os palestinos, que os judeus/semitas não respeitam as determinações da ONU, que os judeus/semitas usurparam 78 % do território dos palestinos, que os judeus/semitas ocupam o território dos autóctones daquela região - há seis décadas, que os judeus/semitas derrubam as casas de inúmeros palestinos os obrigando muitas vezes a trabalhar na construção de uma moradia para um colono israelense (bem mais luxuosa, muitas vezes com piscina) em seu antigo terreno, que os judeus/semitas usam bombas de fósforo contra pessoas inocentes, que os judeus/semitas usaram uma bomba nova contra os palestinos (Explosivo de Metal Denso Inerte ), que os judeus/semitas atiram em mulheres desarmadas acenando bandeira branca, pois antes da criação do Estado de Israel, judeus e muçulmanos viviam em paz. Conforme o pensamento desse filósofo , tudo o que o Estado de Israel já fez, tanto com o Líbano como com a Palestina, é obra dos semitas e qualquer crítica que se faça a tais ações, é "antissemitismo". Ele cita um líder do movimento negro para reafirmar isso:" Martin Luther King já dizia que o antissionismo é o novo disfarce do antissemitismo". Quando Martin Luther King falou isso (se é que falou), certamente não tinha a dimensão exata do que estava por se tornar para os palestinos a criação forçada do Estado de Israel, estava muito fresco o infortúnio passado pelos judeus nas mão dos nazistas. Se Martin Luther King se opunha à Guerra do Vietnã, há de se supor que se oporia a este extermínio perpretado por Israel.
Da mesma maneira que os estadonidenses monopolizaram a condição de "americanos" - não é comun, nós, latinos, sermos chamados de americanos - a maioria dos israelenses e boa parte dos judeus monopolizaram a condição de "semita". Todo o povo que vive ou é oriundo de Sem, tanto os hebreus como os árabes, são semitas. Portanto, o Hamás, os palestinos e os árabes no geral, não são antissemitas, pois se assim fosse, seriam "anti-si-mesmo". O filósofo fala de uma carta de 1988 do Hamás, sendo que este já mudou seu discurso, admitindo a existência do Estado de Israel.

Não se trata de uma defesa incondicional o Hamás, mas é muito difícil distinguir os palestinos "comuns", dos integrantes do Hamás (que são 'militantes', não soldados), visto que o combate às ações de Israel é generalizado. Até mesmo as crianças (de tanto ver seus pais, irmãos mais velhos, tios, mães, amigos... sendo humilhados), com pedradas, combatem o exército. A diferença é que o Hamás tem uns torpedos que, comparados ao poderio militar de Israel, mais parecem rojões. O fato é que o Hamás foi eleito pelo voto do povo e tem o apoio dos palestinos, pois o grupo não negocia fazendo concessões ao governo israelense, como sempre fez o Fatah. O hamás está longe de ser democrático, libertário, mas não dá para compará-lo com o exército israelense e americano que atuam por motivações bem diferentes em defesa da colonização e do império. O hamás tem um discurso religioso assim como o exército israelense, a diferença é que está se defendendo, tentando libertar seu povo. Se depois de ter feito isso vir a reprimir os palestinos, serei o primeiro a criticá-lo.

Dennis Lerrer fala que o Hamás usa os "civis" como escudo humano para comover a opinião pública, deve ser por isso que o exército israelense atacou a própria ONU - daqui uns dias vão dizer que o Hamás havia sequestrado os membros da entidade e, com o intuito de salvá-los, o exército fez o ataque. No fim do século XIX, Theodor Herzel, fundador do sionismo, sugeriu aos russos que intensificasse a perseguição aos judeus para que eles emigrassem de vez rumo à Palestina. Tem mais, o holocausto é um grande álibe para os sionistas, quem usa a morte de civis em seu favor é o Estado de Israel para ocupar territórios, não o Hamás.

Sem distinção nenhuma, ele diz que "mesquita não é mesquita, escola não é escola, universidade não é universidade, da mesma forma que libertação não é libertação. São centros de armazenamento de armas, foguetes, refúgios de terroristas, além de locais de endoutrinação e treinamento", quem que ele chama de fundamentalista?



segunda-feira, 19 de janeiro de 2009

Em tempos de crise econômica, até que uma 'guerrazinha' é bem conveniente.

Música da Legião urbana.


Existe alguém/ Esperando por você/ Que vai comprar/ A sua juventude/ E convencê-lo a vencer.../ Mais uma guerra sem razão/ Já são tantas as crianças/ Com armas na mão/ Mas explicam novamente/ Que a guerra gera empregos/ Aumenta a produção.../ Uma guerra sempre avança/ A tecnologia/ Mesmo sendo guerra santa/ Quente, morna ou fria/ Prá que exportar comida?/ Se as armas dão mais lucros/ Na exportação.../ Existe alguém/ Que está contando com você/ Prá lutar em seu lugar/ Já que nessa guerra/ Não é ele quem vai morrer.../ E quando longe de casa/ Ferido e com frio/ O inimigo você espera/ Ele estará com outros velhos/ Inventando novos jogos de guerra.../ Que belíssimas cenas/ De destruição/ Não teremos mais problemas/ Com a superpopulação.../ Veja que uniforme lindo/ Fizemos prá vocêLembre-se sempre/ Que Deus está/ Do lado de quem vai vencer.../ Existe alguém/ Que está contando com você/ Prá lutar em seu lugar/ Já que nessa guerra/ Não é ele quem vai morrer.../ E quando longe de casa/ Ferido e com frio/ O inimigo você espera/ Ele estará com outros velhos/ Inventando novos jogos de guerra.../ Que belíssimas cenas/ De destruição/ Não teremos mais problemas/ Com a superpopulação.../ Veja que uniforme lindo/ Fizemos prá você/ Lembre-se sempre/ Que Deus está/ Do lado de quem vai vencer.../ O senhor da guerra/ Não gosta de crianças...

19/01/2009 - 12h06
Software israelense manobra opiniões na internet
Publicidade



DIÓGENES MUNIZ


(editor de Informática da Folha Online)

Nem só de caças F-16 e mísseis teleguiados são feitos os ataques israelenses em Gaza. Uma arma em específico se destacou pela eficiência apresentada desde a escalada do conflito --e continuará sendo usada, mesmo após o cessar-fogo. Ela age nos bastidores da internet, modificando resultados de enquetes on-line, entupindo caixas de e-mails de autoridades e ajudando a protestar contra notícias desfavoráveis à comunidade israelense.
O nome da ferramenta é Megaphone, um software desenvolvido pela companhia Collactive e distribuído pela organização Giyus ("mobilização" em hebraico, mas também sigla para "Give Israel Your United Support" ou "Dê a Israel seu apoio integrado", em tradução livre). O programa serve para mobilizar internautas pelo mundo dispostos a manobrar ("balancear", segundo os usuários) opiniões na rede.
Desenvolvido em 2006, durante a Guerra do Líbano, seu uso atingiu 36.700 "soldados virtuais" com o conflito em Gaza. A meta: 100 mil participantes.
Lobby 2.0
O internauta disposto a fazer parte do arrastão cibernético precisa baixar um programa no site Giyus.org, que se apresenta como uma "coalizão de organizações pró-Israel trabalhando juntas para ajudar a comunidade judaica a fazer suas opiniões serem ouvidas de maneira efetiva".
Instalada a plataforma, aparecem no computador alertas em tempo real sobre notícias, enquetes, artigos, vídeos ou blogs que estejam com visões "a favor ou contra" a comunidade. Lembram os avisos de novas mensagens do comunicador instantâneo MSN. O internauta é convidado, a partir daí, a "agir por Israel" --enchendo os alvos de críticas, elogios ou votos.
Com poucos cliques (e sem dominar o idioma da página em questão), é possível influenciar uma pesquisa no site do Yahoo! ou mandar uma notícia sobre mísseis palestinos para a ONU, entre outros. O programa oferece no próprio navegador um formulário completo de "ação" já preenchido, com endereços dos destinatários e conteúdo padrão a ser enviado: o internauta sequer precisa abrir sua conta de e-mail ou clicar em "enviar".
Redes sociais e sites colaborativos, como Facebook e YouTube, também estão na mira do software. Esse tipo de estratégia, que recebeu o apoio do Ministério das Relações Exteriores de Israel, já forçou o site da BBC a tirar uma enquete do ar.
Desde o início da invasão a Gaza, dezenas de comunidades e sites foram "pichados", invadidos ou derrubados, tanto por piratas virtuais palestinos quanto israelenses. O que se destaca neste caso, no entanto, é o modo de atuação do programa, que institucionaliza a manipulação de informação de forma coordenada e colaborativa.

OPERAÇÃO CHUMBO IMPUNE


"Resta pouca Palestina. Passo a passo, Israel a está apagando do mapa"


OPERAÇÃO CHUMBO IMPUNE
Eduardo Galeano. Brecha/Rebelión 17/01/2009.

Para justificar-se, o terrorismo de Estado fabrica terroristas: semeia ódio e colhe dissimulação. Tudo indica que esta carnificina de Gaza, que segundo seus autores quer acabar com os terroristas, conseguirá multiplicá-los.
***
Desde 1948, os palestinos vivem condenados à humilhação perpétua. Não podem nem respirar sem permissão. Têm perdido sua pátria, suas terras, sua água, sua liberdade, seu tudo. Sequer têm o direito de eleger seus governantes. Quando votam em quem não devem votar, são castigados. Gaza está sendo castigada. Transformou-se numa ratoeira sem saída, desde que Hamás ganhou de forma limpa as eleições de 2006. Algo parecido havia ocorrido em 1932, quando o Partido Comunista triunfou em El Salvador. Banhados de sangue, os salvadorenhos expiaram sua conduta má e desde então foram submetidos a ditaduras militares. A democracia é um luxo que nem todos merecem.
***
São filhos da impotência os foguetes caseiros que os militantes de Hamás, encurralados em Gaza, disparam com uma atrapalhada pontaria sobre as terras que haviam sido palestinas e que a ocupação israelense usurpou. E o desespero, à beira da loucura suicida, é a mãe das bravatas que negam o direito à existência de Israel, gritos sem nenhuma eficácia, enquanto a bem eficaz guerra de extermínio está negando, há anos, o direito de existência da Palestina.
Resta pouca Palestina. Passo a passo, Israel a está apagando do mapa.
Os colonos invadem e, atrás deles, os soldados vão corrigindo a fronteira. As balas sacramentam a expropriação, em legítima defesa.
Não há guerra agressiva que não diga ser guerra defensiva. Hitler invadiu a Polônia pata impedir que a Polônia invadisse a Alemanha. Bush invadiu o Iraque para impedir que o Iraque invadisse o mundo. Em cada uma de suas guerras defensivas, Israel tragou outro pedaço da Palestina, e os almoços continuam. O devorar se justifica pelos títulos de propriedade que a Bíblia outorgou, pelos dois mil anos de perseguição que o povo judeu sofreu e pelo pânico que geram os palestinos ao ficaram na espreita.
***
Israel é o país que jamais cumpre as recomendações e as resoluções das Nações Unidas, que nunca acata as sentenças dos tribunais internacionais, que burla as leis internacionais e é também o único país que legalizou a tortura de prisioneiros.
Quem lhe deu de presente o direito de negar todos os direitos? De onde vem a impunidade com a qual Israel está executando a matança de Gaza? O governo espanhol não poderia bombardear o Pais Basco para acabar com a ETA, nem o governo britânico poderia ter arrasado a Irlanda do Norte para liquidar o IRA. Acaso a tragédia do holocausto implica em apólice de eterna impunidade? Ou esta luz verde vem da potência que mais manda e que tem em Israel o mais incondicional de seus vassalos?
***
O exército israelense, o mais moderno e sofisticado do mundo, sabe quem está matando. Não mata por erro. Mata por horror. As vítimas civis são chamadas de danos colaterais, segundo o dicionário de outras guerras imperiais. Em Gaza, de cada dez danos colaterais, três são crianças. E somam milhares os mutilados, vítimas da tecnologia do esquartejamento humano, que a indústria militar está ensaiando com êxito nesta operação de limpeza étnica.
E, como sempre, sempre o mesmo: em Gaza, cem a um. Por cada cem palestinos mortos, um israelense.
Gente perigosa adverte outro bombardeio a cargo dos meios de manipulação de massa, que nos convidam a acreditar que uma vida israelense vale tanto quanto cem vidas palestinas. E esta mídia também nos convida a crer que são humanitárias as duzentas bombas atômicas de Israel, e que uma potência nuclear chamada Irã foi a que aniquilou Hiroshima e Nagasaki.
***
A chamada comunidade internacional existe?
É algo mais do que um clube de mercadores, banqueiros e guerreiros? É algo mais do que o nome artístico que os Estados Unidos colocam a si mesmo quando fazem teatro?
Diante da tragédia de Gaza, a hipocrisia mundial brilha mais uma vez. Como sempre, a indiferença, os discursos vazios, as declarações ocas, as declamações altissonantes, as posturas ambíguas prestam tributo à sagrada impunidade.
Diante da tragédia de Gaza, os países árabes se lavam as mãos. Como sempre. E como sempre, os países europeus esfregam as mãos.
A velha Europa, tão capaz de beleza e perversidade, derrama algumas lágrimas, enquanto secretamente celebra esta jogada de mestre. Porque a caça aos judeus foi sempre um costume europeu, mas há meio século esta dívida histórica está sendo cobrada dos palestinos, que também são semitas e que nunca foram, nem são, anti-semitas. Eles estão pagando, em sangue à vista e sonante, uma conta alheia.
Esta matéria é dedicada a meus amigos judeus assassinados pelas ditaduras latino-americana que Israel assessorou.

Para o nazismo, só falta a câmara de gás


EM GAZA, ESTÃO USANDO UM NOVO TIPO DE ARMA.
Sophie Shihab.
Le Monde 12/01/2009 e Rebelión 13/01/2009.

"Será que esta guerra é um laboratório para os fabricantes da morte? Em pleno século vinte, é possível fechar um milhão e meio de pessoas e fazer com elas o que se quer, chamando-as de terroristas?"


Nos últimos dias, as redes de televisão árabes que transmitem da Faixa de Gaza vêm mostrando feridos de um novo tipo, adultos e crianças com munhões ensangüentados no lugar das pernas. No domingo, dia 11 de janeiro, dois médicos noruegueses, os únicos ocidentais que trabalham no hospital da cidade confirmaram isso.
Os médicos Mads Gilbert e Erik Fosse, que trabalham na região há vinte anos com a ONG norueguesa Norwac, conseguiram sair do território na véspera, com 15 feridos graves pela fronteira com o Egito. Não sem ter que driblar obstáculos: "Três dias atrás, o nosso comboio, apesar de identificado pelo Comitê Internacional da Cruz Vermelha, teve que dar meia volta antes de chegar em Khan Yunis, onde os tanques atiraram em nós para nos deter", declararam aos jornalistas presentes em Al-Arish.
Dois dias depois, o comboio pôde passar, mas os médicos e o embaixador da Noruega que haviam ido recebê-los foram retidos durante toda a noite "por razões burocráticas" no posto de fronteira egípcio de Rafah, semi-aberto somente para as missões de saúde. Na mesma noite, os vidros do posto foram quebrados pelo estampido de uma das bombas lançadas nas proximidades.
"No hospital Al-Shifa de Gaza não vimos queimaduras de fósforo nem feridos por bombas de fragmentação. Mas vimos vítimas de algo que tem todas as características de um novo tipo de arma testado pelos militares estadunidenses, conhecido como Explosivo de Metal Denso Inerte (DIME, pela sigla em inglês)", declararam os médicos.
Trata-se de pequenas bombas envolvidas por carbono e uma camada de tungstênio, cobalto, níquel ou ferro cujo enorme poder de explosão se dissipa num raio de dez metros. "A dois metros corta o corpo no meio, a oito metros serra as pernas, abrasando-as como se tivessem sido atravessadas por milhares de agulhas. Não vimos corpos partidos, mas sim muitos amputados. Em 2006, houve algo parecido no sul do Líbano e vimos isso em Gaza naquele mesmo ano, durante a operação israelense ‘chuva de verão’. Os experimentos com ratos têm demonstrado que as partículas que permanecem no corpo são cancerígenas", explicaram os médicos.
Um médico palestino, entrevistado no domingo por Al Jazeera, relatou sua impotência em casos como estes: "Não há nenhum rastro visível de metal no corpo, mas há estranhas hemorragias internas. Uma matéria queima os vasos sanguíneos e causa a morte. Não podemos fazer nada". Segundo a primeira equipe de médicos árabes autorizada a entrar no território ocupado, que chegou no hospital de Khan Yunes vinda do sul, entraram aí "dezenas" de casos desse tipo.
Os médicos noruegueses têm se sentido na obrigação de informar o que viram devido à ausência em Gaza de qualquer outro representante do "mundo ocidental", seja ele médico ou jornalista. "Será que esta guerra é um laboratório para os fabricantes da morte? Em pleno século vinte, é possível fechar um milhão e meio de pessoas e fazer com elas o que se quer, chamando-as de terroristas?"
Haviam chegado no hospital de Al-Shifa, lugar que já conheciam antes e depois do bloqueio, no quarto dia de guerra. Aí encontraram um edifício e equipamentos "já nas últimas", um pessoal exausto e moribundos em qualquer lugar. O material que haviam preparado havia sido detido na passagem de fronteira de Eretz.
"Quando chegam no Pronto Socorro cinqüenta feridos de uma vez, o melhor hospital de Oslo mal poderia atendê-los – contam. Aqui podem cair dez bombas por minuto. A destruição de uma mesquita próxima transformou em cacos alguns vidros do hospital. Quando soam as sirenes o pessoal tem que se refugiar nos corredores. Sua valentia é incrível. Na melhor das hipóteses dormem duas ou três horas por dia. A maior parte deles tem vítimas entre seus próprios parentes; ouvem no rádio a lista dos lugares que acabam de ser atacados e às vezes é onde mora sua família, mas eles têm que ficar trabalhando... Na manhã em que saímos daí, quando entrei na emergência, perguntei como haviam passado a noite. Uma enfermeira sorriu. Em seguida prorrompeu em soluços".
Neste momento do relato, a voz do doutor Gilbert se quebra. "Já está vendo – se recompõe e sorri com calma – eu também...".

sexta-feira, 16 de janeiro de 2009




"Testemunhos colhidos e divulgados pela ONG B"Tselem deram conta de que forças israelenses atiraram na cabeça de uma mulher depois que ela deixou sua casa agitando um pano de cor branca".



ONGs pedem investigação de 'crimes de guerra' em Gaza

Ataques na Faixa de Gaza já deixaram mais de mil mortos
Israel atacou pelo menos três hospitais nesta quinta-feira e está cometendo uma série de abusos contra civis em sua ofensiva militar na Faixa de Gaza, segundo denúncias de associações internacionais e ONGs israelenses.
A organização britânica Medical Aid for Palestinians (MAP) disse nesta quinta-feira que os hospitais Al Wafe, no leste da Cidade de Gaza, e Al Fata, em Tal El Hawa, a oeste da Cidade de Gaza, foram bombardeados.
As informações teriam sido confirmadas por coordenadores de ajuda hospitalar da própria organização no território palestino. O Al Wafa é o único hospital de reabilitação em toda a Faixa de Gaza.
Ainda nesta quinta-feira, a Organização Mundial da Saúde (OMS) confirmou que o hospital Al Quds, também foi atingido em um ataque israelese e teria ficado em chamas.
A ONG Christian Aid disse que uma clínica para mães e bebês na Cidade de Gaza foi destruída e um ataque israelense no sábado.
A clínica foi atingida por um míssil depois de um alerta de 15 minutos, avisando que ela seria atacada. Centenas de milhares de dólares em equipamento foram destruídos no ataque.
Danos sem precedentes
A intensidade dos ataques e o comportamento das forças israelenses levaram ONGs do próprio país a pedir uma investigação sobre a perpretação de crimes de guerra na Faixa de Gaza.
As ações conduzidas pelo Exército israelense "constituem uma clara violação de leis internacionais que regulamentam a condução de guerras", levantando a "forte suspeita" de que estejam sendo cometidos crimes de guerra, diz um documento assinado em conjunto por nove ONGs, entre elas as seção israelense da Anistia Internaciona e a B'Tselem, tida como a principal organização a monitorar violações de direitos humanos nos territórios ocupados.
As ONGs dizem que a responsabilidade do Estado de Israel nessa guerra é "clara e fora de dúvidas", e pedem que Israel "pare com os danos desproporcionais causados a civis e com os ataques contra alvos civis que não tem qualquer objetivo militar".
Israel é acusado pelas ONGs de causar "danos sem precedentes à população civil".
Testemunhos colhidos e divulgados pela ONG B"Tselem deram conta de que forças israelenses atiraram na cabeça de uma mulher depois que ela deixou sua casa agitando um pano de cor branca.
Vários outros testemunhos semelhantes foram colhidos pela ONG, pela BBC e pelo Crescente Vermelho, alguns contando casos de famílias inteiras acuadas em suas casas, que receberam avisos transmitidos por alto-falantes para que saíssem para a rua e que acabaram tendo vários integrantes mortos a tiros por forças israelenses.
Fontes dos serviços de saúde de Gaza dizem que pelo menos de 1.028 pessoas morreram desde o início da ofensiva, há 20 dias - cerca de 30% delas são crianças.
Israel diz que a ação militar na Faixa de Gaza tem o objetivo de impedir que militantes palestinos continuem a lançar foguetes contra o território israelense.

terça-feira, 13 de janeiro de 2009

Hamas não é terrorista, afirma representante palestina


http://tvuol.uol.com.br/#list/type=search/q=jamile%20latif

Veto faz EUA cancelarem envio de munição a Israel

WASHINGTON - Os Estados Unidos foram obrigados a cancelar o embarque de munições para Israel a partir de um porto na Grécia, por causa de um veto do governo grego. Geoff Morrell, porta-voz do Pentágono, disse que a Grécia "tinha alguma objeção ao desembarque daquele carregamento em seu país". Segundo Morrell, os EUA agora estão buscando uma maneira alternativa de fazer o carregamento de munição chegar a Israel. A Grécia é integrante da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), aliança militar liderada pelos EUA.

No 18º dia da ofensiva militar de Israel contra o território palestino da Faixa de Gaza, as forças armadas israelenses foram acusadas de usar bombas incendiárias de fósforo branco contra a população civil. O analista militar Marc Garlasco, do Human Rights Watch, disse à emissora árabe de televisão Al-Jazeera que "passamos por unidades de artilharia israelenses que tinham munição de fósforo branco com os detonadores instalados". "Claramente, eles estão usando fósforo branco, podemos dizer pelas explosões, com ''tentáculos'' que descem, e pelas chamas que continuam queimando", disse Garlasco.

As leis internacionais permitem o uso de fósforo branco somente em foguetes luminosos que explodem no ar para ofuscar as forças inimigas, mas seu uso como munição é banido. Apesar disso, bombas de fósforo branco foram usadas como munição por Israel na invasão do Líbano, em 2006, e pelos EUA na destruição da cidade iraquiana de Fallujah, em 2004.

Hoje, um deputado israelense pregou o uso de munição ainda mais mortífera na guerra contra Gaza: armas nucleares. Discursando durante conferência na Universidade Bar-Ilan, em Ramat Gan, o deputado Avigdor Lieberman, presidente do partido Beiteinu, disse que "precisamos a combater o Hamas como os EUA fizeram com os japoneses na Segunda Guerra Mundial". Para ele, o uso de bombas atômicas pelos EUA "tornaram desnecessária a ocupação do Japão".

Com informações são da Dow Jones, Associated Press e Al-Jazeera, da Agencia Estado de S. Paulo

domingo, 11 de janeiro de 2009

Quem começou o terrorismo no conflito árabe-israelense?

Palestina a terra prometida
Veja slide em Powerpoint aqui

Para documentação, consulte-se The Arab Women's Information Committee e The Institute for Palestine Studies, Who Are the Terrorists? Aspects of Zionist and Israeli Terrorism, (Beirut: Institute for Palestine Studies, 1972)

sábado, 10 de janeiro de 2009

Matéria safada da Globo, pra variar.


O Dilema de Israel
Após duas semanas de operação militar e cerca de 800 mortes, Israel ganhou um problema em Gaza: não quer uma ocupação custosa, não aceita deixar o Hamas no poder e não tem como escolher outros líderes para os palestinos

Por Juliano Machado. Com reportagem de José Antonio Lima


Como sempre a mídia coloca Israel como vítima. Além promover uma matança (mais de 800 pessoas,entre elas, mais de 250 crianças), de ocupar e usurpar o território que não é seu, de ser condenado pela ONU (essa farsa que não tem representtividade nenhuma), de minar a economia palestina com embargos estúpidos que não permite a entrada de coisas básicas, de ininterruptamente humilhar os palestinos com os "check point's", de obrigar seus habitantes - em sua maioria conivente - a servir o exército...Israel tem gastado muito com as ocupações, com os ataques e, naturalmente passa por um dilema.
Já os palestinos estão numa boa em meio aos escombros, contando suas vítimas, felizes com o terror das bombas, com o choro de suas crianças, com os feridos nos hospitais sem atendimento, estão em paz com a falta de comida e medicamentos, não passam por nenhum dilema tendo suas casas demolidas, atirando pedras nos tanques de guerra, se esquivando de tiros. É, de fato, quem tem motivos para estar num dilema é o Estado de Israel, com suas vítimas do holocausto...

sexta-feira, 9 de janeiro de 2009

Israel ataca abrigo que o próprio exército escolheu


ONU acusa Israel de bombardear abrigo de civis


Ofensiva de Israel contra Gaza já dura duas semanas
Forças israelenses bombardearam uma casa na Faixa de Gaza onde os próprios soldados de Israel tinham colocado cerca de 110 palestinos no dia anterior, segundo um relatório da ONU.
O bombardeio, em Zeitoun, um bairro no sudeste da Cidade de Gaza, ocorreu no dia 5 de janeiro e matou cerca de 30 pessoas. Israel afirma que as acusações estão sendo investigadas.

O Escritório da ONU para Questões Humanitárias (OCHA, na sigla em inglês) cita testemunhas que presenciaram o fato e afirma que este foi "um dos incidentes mais graves" desde o início da ofensiva.

"Segundo várias testemunhas, no dia 4 de janeiro soldados israelenses evacuaram aproximadamente 110 palestinos (metade destes, crianças) e os levaram para uma única residência em Zeitoun, afirmando que eles deveriam permanecer em casa", informou o escritório da ONU no relatório.

"Vinte e quatro horas depois, forças israelenses bombardearam a casa várias vezes, matando aproximadamente 30 pessoas."

Segundo a ONU, os que sobreviveram e ainda conseguiam andar caminharam dois quilômetros para a estrada principal de ligação entre o norte e o sul da cidade para conseguir transporte para o hospital mais próximo em veículos civis.

"Três crianças, a mais nova delas com cinco meses de idade, morreram na chegada ao hospital", segundo o relatório.

Cerca de 770 palestinos e 14 israelenses morreram durante as quase duas semanas da ofensiva aérea e terrestre de Israel contra o grupo militante palestino Hamas.

O Conselho de Segurança da ONU pediu um cessar-fogo imediato e a retirada das tropas israelenses da Faixa de Gaza.



Fonte BBC Brasil


Saramago condena Estado de Israel




Das pedras de David aos tanques de Golias
Janeiro 9, 2009 by José Saramago


Também não as usa agora. Nestes últimos cinquenta anos cresceram a tal ponto a David as forças e o tamanho que entre ele e o sobranceiro Golias já não é possível reconhecer qualquer diferença, podendo até dizer-se, sem ofender a ofuscante claridade dos factos, que se tornou num novo Golias. David, hoje, é Golias, mas um Golias que deixou de carregar com pesadas e afinal inúteis armas de bronze. Aquele louro David de antanho sobrevoa de helicóptero as terras palestinas ocupadas e dispara mísseis contra alvos inermes, aquele delicado David de outrora tripula os mais poderosos tanques do mundo e esmaga e rebenta tudo o que encontra na sua frente, aquele lírico David que cantava loas a Betsabé, encarnado agora na figura gargantuesca de um criminoso de guerra chamado Ariel Sharon, lança a “poética” mensagem de que primeiro é necessário esmagar os palestino para depois negociar com o que deles restar. Em poucas palavras, é nisto que consiste, desde 1948, com ligeiras variantes meramente tácticas, a estratégia política israelita. Intoxicados pela ideia messiânica de um Grande Israel que realize finalmente os sonhos expansionistas do sionismo mais radical; contaminados pela monstruosa e enraizada “certeza” de que neste catastrófico e absurdo mundo existe um povo eleito por Deus e que, portanto, estão automaticamente justificadas e autorizadas, em nome também dos horrores do passado e dos medos de hoje, todas as acções próprias resulatantes de um racismo obsessivo, psicológica e patologicamente exclusivista; educados e treinados na ideia de que quaisquer sofrimentos que tenham infligido, inflijam ou venham a infligir aos outros, e em particular aos palestinos, sempre ficarão abaixo dos que sofreram no Holocausto, os judeus arranham interminavelmente a sua própria ferida para que não deixe de sangrar, para torná-la incurável, e mostram-na ao mundo como se tratasse de uma bandeira. Israel fez suas as terríveis palavras de Jeová no Deuteronómio: “Minha é a vingança, e eu lhes darei o pago”. Israel quer que nos sintamos culpados, todos nós, directa ou indirectamente, dos horrores do Holocausto, Israel quer que renunciemos ao mais elementar juízo crítico e nos transformemos em dócil eco da sua vontade, Israel quer que reconheçamos de jure o que para eles é já um exercício de facto: a impunidade absoluta. Do ponto de vista dos judeus, Israel não poderá nunca ser submetido a julgamento, uma vez que foi torturado, gaseado e queimado em Auschwitz. Pergunto-me se esses judeus que morreram nos campos de concentração nazis, esses que foram trucidados nos pogromes, esses que apodreceram nos guetos, pergunto-me se essa imensa multidão de infelizes não sentiria vergonha pelos actos infames que os seus descendentes vêm cometendo. Pergunto-me se o facto de terem sofrido tanto não seria a melhor causa para não fazerem sofrer os outros.

As pedras de David mudaram de mãos, agora são os palestinos que as atiram. Golias está do outro lado, armado e equipado como nunca se viu soldado algum na história das guerras, salvo, claro está, o amigo norte-americano. Ah, sim, as horrendas matanças de civis causadas pelos terroristas suicidas… Horrendas, sim, sem dúvida, condenáveis, sim, sem dúvida, mas Israel ainda terá muito que aprender se não é capaz de compreender as razões que podem levar um ser humano a transformar-se numa bomba.

quinta-feira, 8 de janeiro de 2009

Um Israel satânico e genocida por Khalid Amayreh






Durante anos tenho advertido que Israel é psicologicamente e moralmente capaz de executar um holocausto ou um genocídio contra o povo palestino.

É desnecessário dizer que os horríveis acontecimentos das últimas duas semanas em Gaza confirmaram e justificaram as minhas convicções.

Israel, governo e povo, parece possuírem a propensão psicológica que os leva a uma tal monstruosidade. Sim, há uma minoria de judeus israelenses e judeus não-israelenses que dizem "Não" a todos estes males e crimes que Israel está a cometer em seu nome.

Contudo, vamos ser honestos e realistas. Estas pessoas são uma pequena minoria e têm muito pouco influência, se é que alguma, sobre o governo e o exército israelense.

Hoje, o que muitas pessoas pensaram que seria impensável ou absurdo quanto à extensão à qual Israel estaria disposto a ir na barbarização do povo palestino parece bastante possível à luz do comportamento nazi do Estado judeu na Faixa de Gaza.

Dada a mentalidade israelense, Israel pode bem estar à espera de que a mais recente carnificina genocida possa ter um certo efeito de des-sensibilização e des-mistificação sobre as percepções e atitudes do povo.

A lógica é bastante simples. Se o mundo pode ser intimidado ou remetido ao silêncio e à apatia quando Gaza é arrasada e milhares dos seus habitantes são sacrificados em massa à plena vista da humanidade, o mesmo mundo pode do mesmo modo ser manipulado de modo semelhante para aceitar um genocídio ainda maior.

Na terça-feira, 6 de Janeiro, um oficial israelense, Eli Yeshai, apelou ao extermínio total de Gaza. O líder do ultra ortodoxo partido Shas argumentou que "o extermínio do inimigo é aprovado pelo Torá".

Outros líderes políticos e religiosos israelenses ultimamente têm falado com entusiasmo da necessidade de "apagar Gaza da face da terra" e "aniquilar tudo o que se move ali".

Curiosamente, isto não é de modo algum uma opinião minoritária em Israel. Na verdade, alguém poderia seguramente argumentar que a "ideologia da aniquilação" representa agora a corrente principal na sociedade israelense.

Como todos nós sabemos, Israel emprega pesadamente a falsidade, o engano e a desinformação para esconder, ou pelo menos borrar, a sua criminalidade e a sua barbárie.

A principal tarefa da máquina israelense do hasbara [1] sempre foi e continua a ser transformar o negro em branco, o branco em negro e a grande mentira numa "verdade" glorificada por milhões, especialmente no Ocidente.

Para espalhar estas mentiras obscenas e "realidades virtuais", o governo israelense depende em grande medida dos media controlados ou influenciados por judeus no mundo ocidental, especialmente na América do Norte onde contar a verdade acerca de Israel é o supremo tabu.

Na verdade, o que está a acontecer em Gaza é um enorme massacre de proporções genocidas como muitos judeus conscienciosos testemunharam.

O que mais se pode dizer deste desumano, deliberado e indiscriminado bombardeamento de bairros densamente povoados e campos de refugiados?

Acredito que expressões como "enormes massacres" e "carnificina genocida" utilizado para o pesadelo de Gaza não podem ser descartadas por Israel e seus apoiantes simplesmente como exageros retóricos.

Isto é, a menos que Israel encare os sofrimentos físicos e mentais como falsos, provavelmente porque os não judeus, ou "goim", são realmente considerados "animais humanos" por uma ampla e crescente classe de fanáticos rabis, políticos e líderes militares.

Até agora, mais de 4000 habitantes de Gaza foram cruelmente mortos ou mutilados ou incinerados em menos de duas semanas de intenso e indiscriminado bombardeamento aéreo e por artilharia alvejando tudo e todos.

Mesquitas, lares, edifícios públicos, abrigos, escolas, faculdades, dormitórios, fábricas, instituições culturais, negócios, mesmo hospitais e farmácias assim como toda a infraestrutura civil foram bombardeados e reduzidos a entulho.

O bombardeamento raivoso de elevadas altitudes exterminou famílias e destruiu bairros inteiros. Isto provavelmente é o que os líderes israelenses tinham em mente quando falaram anteriormente acerca de uma campanha de "choque e pavor" contra Gaza.

Em 6 de Janeiro, tanques israelenses dispararam várias bombas de artilharia numa escola no campo de refugiados Jabalya, matando mais de 40 civis, principalmente crianças e mulheres, que haviam procurado abrigado na instalação da UNRWA [2] . Dúzias de outros foram feridos, muitos criticamente.

Porta-vozes militares israelenses, que são realmente mentirosos profissionais, afirmaram que foram vistos combatentes palestinos na vizinhança do edifício e que alguns deles disparam sobre tropas israelenses a partir da escola.

Contudo, responsáveis da ONU em Gaza negaram categoricamente o relato israelense, com um responsável da ONU a dizer que estava "99,99%" certo de que o exército israelense estava a mentir.

Anteriormente, a força aérea israelense atingiu um velório, matando 15 membros da mesma família.

A morte pornográfica de civis não tem outra explicação senão o facto ostensivo de que Israel está a adoptar uma abordagem sem limitações em relação a Gaza, a qual ainda está sob ocupação israelense efectiva apesar da retirada das tropas israelenses do enclave costeiro há mais de três anos.

Bem, se aceitarmos esta lógica, nomeadamente de que tudo é correcto na guerra, então os judeus deveriam parar de queixar-se acerca do que os exércitos de Hitler lhes fizeram durante a II Guerra Mundial.

É simplesmente inaceitável aplicar dois padrões de moralidade, um para judeus e outro para não-judeus. Pois se o que Israel está a fazer em Gaza é certo, como Israel e seus apoiantes sustentam, então o que os nazis fizeram na Europa há várias décadas também deve ter sido certo. E vice-versa.

Afinal de contas, o crime não se torna kosher [3] quando cometido por mãos judias.

Crime colossal

A enormidade do actual assalto holocáustico é indubitavelmente um crime colossal contra a humanidade.

Em proporção ao tamanho da população, o assassínio e mutilação de 4000 habitantes de Gaza (o número continua a aumentar) é como os EUA terem pelo menos um milhão dos seus cidadãos mortos ou gravemente feridos em consequência de uma agressão estrangeira.

Tal como a destruição total de Gaza, é igualmente chocante. Alguns americanos expatriados aqui na Palestina ocupada têm falado de um duplo holocausto em Gaza: um atingindo humanos e outro atingindo a civilização.

Ao enfrentarem seus crimes, pornográficos e ultrajantes como são, muitos israelenses, provavelmente a maioria, estão simplesmente tão alegres que pensam que Israel está a fazer a coisa certa e que Deus posiciona-se no lado de Israel nesta guerra e em toda a guerra.

Alguns líderes religiosa tornaram-se tão eufóricos, graças às blitz sobre Gaza, que pensam estar iminente a vinda do Messias.

Outros judeus israelenses "religiosos", incluindo rabis, justificam prontamente a carnificina desenfreada citando versos bíblicos que justificam o genocídio.

Um líder dos assentamentos israelenses argumentou recentemente durante uma conversação com um visitante americano activista da paz que "se estava certo cometer genocídio durante a época bíblica, por que não estará certo cometer genocídio agora? Será que Deus mudou de ideia?", perguntou o colono sarcasticamente.

Quanto a líderes e responsáveis israelenses, eles simplesmente permitem-se ao que sempre se permitiram, nomeadamente a "negação" e o "sentimento de superioridade moral" ou simplesmente em actuar no papel de vítima.

Comportam-se então como Shimon Peres, o presidente israelense, quando disse durante uma entrevista directa à al-Jazeera em 5 de Janeiro:

"Nós não matamos e não matámos qualquer criança em Gaza. Nós somos a vítima da agressão do Hamas", disse o mentiroso patológico e criminoso de guerra desavergonhado.

As mentiras pornográficas de Peres não precisam de qualquer novo comentário. Elas falam por si só.

Os judeus sionistas podem muito bem pensar que podem estar certos e que a moralidade é desnecessária e dispensável enquanto eles possuírem força material esmagadora.

Eles podem pensar que os rios de sangue da "única democracia do Médio Oriente" tem estado a derramar fortalecerão Israel e aterrorizarão os seus vizinhos.

Bem, pode no curto prazo. Contudo, no longo, a criminalidade e a perversidade israelense o esterilizarão a partir de dentro até ao ponto da morte.

Tal como as pessoas vis, os Estados vis não prosperarão.
08/Janeiro/2009

[1] Hasbara: os esforços do governo israelense e dos judeus sionistas para justificar os crimes do Estado de Israel.
[2] Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados Palestinos.
[3] Kosher: legítimo.

[*] Habitante da Palestina ocupada.

O original encontra-se em www.palestine-info.co.uk

Este artigo encontra-se em http://resistir.info/ .

Shministim

Vídeo de jovens Israelenses presos por terem se negado a servir ao Exército.

http://www.youtube.com/watch?v=250IfMhMPf0&eurl=http://www.idelberavelar.com/&feature=player_embedded

A guerra é inviável tanto para o Líbano quanto para a Palestina, menos para Israel


Passeando por algumas comunidades de orkut, ou até por sites ligados a organizações árabes, dá pra perceber, mesmo que de maneira pouco enfática, um clamor por parte de umas pessoas para que o Hizbolah e os outros países árabes entrem na guerra para defender a Palestina. Segundo a mídia mundial, foram lançados do Líbano, alguns mísseis aos territórios israelenses e que Israel imediatamente, "revidou". A defesa aos palestinos deve acontecer, claro. Mas entrar na guerra seria o mesmo que cometer suicídio. Não vou aqui cair no descrédito de fazer distinção entre civis e militantes, como adoram fazer os jornalistas brasileiros, sobretudo da globo, Folha, Estado de São Paulo. Principalmente entre os palestinos, essa distinção, se não é ridícula, é no mínimo imprecisa. Até mesmo porque, nenhum meio de comunicação se atreve em chamar os palestinos que combatem Israel com mais afinco, de soldados. Eles são chamados de militantes. Os militantes são movidos por questões ideológicas, os soldados nem sempre. O exército israelense também não faz essa distinção, ataca qualquer um, a torto e a direito, dizendo que se os "militantes" se preocupassem com os "civis", não teriam "iniciado" o lançamento de mísseis, que não se esconderiam em "áreas residenciais", com suas famílias. Hoje pela manhã, (08/01/09), num discurso totalmente pró-Israel, o jornal Bom Dia Brasil, da Globo (assim como a grande maioria das emissoras brasileiras), que sempre coloca o governo israelense como sujeito da ação, ao se referir ao fato de que está havendo um cessar-fogo por três horas diárias para que as organizações de paz e solidariedade possam apoiar as vítimas, a entonação dos jornalistas foi quase comovente: "Israel mantém cessar-fogo por três horas", só faltou eles dizerem, "vejam como Israel é bonzinho", ou quando se referem a queda econômica: "Israel sofre perdas econômicas com a guerra", enfim toda e qualquer notícia, é dada colocando Israel como sujeito de ação. Pobres israelenses, estão lucrando menos com a guerra. Nenhuma menção ao fato de que os palestinos vivem em extrema miséria, com taxa de desemprego que chega a aproximadamente 40% da população, que a economia sofre embargos a todo o tempo, que as oliveiras, principal fonte de renda de muitas pessoas são podadas com a desculpa de que servem de esconderijo de terroristas, nenhuma menção ao fato de que as barreiras de Israel proibe a entrada de coisas básicas, como remédios e alimentos, isso mesmo antes da guerra deflagrar-se, desde que o Hamás ganhou as eleições em 2006. Como se os palestinos também não cessassem o fogo durante as três horas, por mais que seu cessar-fogo seja permanente, devido a falta de equivalência nas armas que ambos os lados possuem. Até mesmo quando os palestinos são atacados e a ONU se pronuncia dizendo que não havia "militantes", como no caso do ataque a escola que deixou cerca de 4o mortos, é como se Israel fosse vítima por ter atacado uma escola e matado 40 pessoas, como publicou a Folha de São Paulo e depois voltou atrás, dizendo que a ONU desmentia a versão israelense.

Vale lembrar que Israel é uma potência bélica, apoiada pelos EUA e União Européia, que 20% de seu PIB é revertido para investimento em armas, que a sociedade israelense (com exceção de uma minoria), apóia o governo, que a educação israelense passa pelo exército. Caso a Liga Árabe resolva entrar em guerra como é o desejo de algumas pessoas, ou até mesmo o Hizbolah no Líbano, as coisas só piorariam. Mais e mais pessoas morreriam e esse estado "cruel, racista e imoral", como considera a própria ONU, sairia ganhando, como já aconteceu na Guerra dos Seis Dias, em Yom Kippur, como já aconteceu no Líbano em 1982 e em 2006. E como vem acontecendo diariamente, desde 1948.

Basta! Que haja solidariedade, manifestações de ação direta, pacifistas, abaixo-assinados, discussões, mas que os países árabes não entrem na guerra, aliás, alguns países árabes como a Arábia Saudita e os Emirados Árabes estão muito ocupados contando seu dinheiro oriuno do petróleo.

Fora Israel!

Chega de massacre!

Devolva o território que usurpou dos palestinos!
Wagner Pereira

quarta-feira, 7 de janeiro de 2009

A expansão assassina de Israel


O slogan que deu aval aos inúmeros judeus espalhados pelo mundo, sobretudo pela Europa, para que emigrassem para a Palestina, continua a prevalecer, "uma terra sem povo para um povo sem terra". As palavras de Theodor Herzel,idealizador do sionismo confirmam isso: "Na Basiléia fundei o Estado Judeu", (agosto de 1897).
A diferença agora é que os judeus não vêm mais da Europa, eles atravessam a fronteira e chegam à "terra prometida" Mas qual será os limites territoriais dessa terra prometida? E se depois de ter usurpado a Palestina toda eles encucarem que o Egito, o Líbano, a Jordânia a Síria ou qualquer outro país faz parte do que fora prometido?
A desculpa para a "volta" dos Judeus quase sempre é o nazismo, o holocausto, acontecimento vergonhoso para a humanidade, como bem mostra Art Spiegelman no livro de quadrinhos Maus, mas é sempre bom lembrar que o movimento dos judeus rumo à Palestina iniciou muito antes do Nazismo.De acordo com André Gattaz no livro A Guerra da Palestina, os sionistas mantinham "relação próxima com os anti-semitas, os quais eram vistos como aliados pois poderiam estimular a emigração de judeus para a nação judaica" Theodor Herzel "manteve negociações com um dos maiores inimigos dos judeus em sua época, Wilhelm II, e os ministros czaristas Plehve e Witte", tudo com o intuito de que se intensificasse a perseguição aos judeus, de modo que esses aceitassem emigrar para a Palestina. Herzel morreu no dia 03 de julho de 1904, o nazismo começou oficialmente em 1933.
Desde o início a intenção de Israel é expandir-se. Sequer as determinações da ONU acata. Dos 57% do território (mais fértil, vale lembrar) para uma população infinitamente menor (cerca de 30% da população, a grande maioria emigrante), Israel detém aproximadamente 80% do território (veja o mapa de 1947 a 2000). E como disse Jeff Halper (importante ativista judeu - diretor do Comité contra a Câmara israelita de Demolições - e professor de Antropologia), a respeito do acordo de Camp David em 2000 sobre a criação do Estado Palestino "As pessoas pensam...Olha, Israel era muito receptivo, ofereceu 95% da Cisjordânia, dos territórios ocupados dos palestinos e são repelidos com violência"..."a suposição de que 95% do território dá a você 95% de soberania". Jeff Halper compara essa "devolução" dos territórios com uma prisão: "Se você olhar a planta de uma prisão parece que os prisioneiros dominam o lugar, os prisioneiros têm 95% da área. Área de vivência, pátio de exercícios, refeitório, áreas de trabalho...tudo o que as autoridades têm é 5 % do território e o controle".
É bom lembrar que as eleições israelenses se aproximam, estão marcadas para o início de 2009. Pesquisas mostram que os candidatos que são contrários a ocupação, não têm muita chance, portanto essa é a hora de "fazer guerra" para aqueles que querem se dar bem nas eleições mostrar à população o apoio que dão as ações do Estado de Israel.

Wagner Pereira

Hamas, Israel, Gaza e resistência violenta


As razões manifestadas por Israel para a sua declaração de guerra total contra a população de Gaza são a mais recente variação de um tema que pôs em circulação a seguir à vitória eleitoral de 2006 do Hamas em Gaza. Em Fevereiro daquele ano Israel emitiu um conjunto oficial de exigências. Israel exigia que o Hamas reconhecesse o direito permanente de Israel a existir, renegasse a violência e aceitasse a validade dos acordos anteriores israelenses-palestinos. Israel afirma que a incapacidade do Hamas em cumprir estas exigências explica e justifica seus ataques aéreos sobre o povo de Gaza.

Na realidade, a agressão de Israel tem pouco a ver com a resposta do Hamas a estas exigências, as quais são, como veremos, insinceras.

Argumenta Israel que a necessidade de derrotar o Hamas é a questão nuclear que motiva os seus actuais ataques aéreos. Esta afirmação é de avaliação especialmente difícil para os americanos. Os media dos EUA habitualmente reflectem a demonização oficial israelense dos objectivos e acções do Hamas.

O entendimento da história do Hamas e da sua actual posição sobre questões chave é essencial para apreciar o que está realmente em causa na escalada da crise em Israel e na Palestina.

O objectivo do que se segue é simplesmente situar o Hamas no contexto da ocupação e da resposta palestina à mesma. Vamos começar com as origens do Hamas e então examinar cada uma das exigências de Israel em 2006.

A emergência do Hamas em Israel

O Hamas descende directamente de um anterior movimento islâmico preocupado basicamente em assegurar educação, cuidados de saúde, ajuda alimentar e outros serviços sociais a palestinos que sofriam sob a ocupação israelense.

Este grupo foi financiado pelo monarca saudita e... o governo de Israel ! Este último proporcionou ao movimento terra, edifícios e não pouco encorajamento.

A lógica de Israel era simples: a Organização de Libertação da Palestina (OLP), naquele tempo a principal representante dos interesses palestinos, era abertamente política e secular, com uns poucos socialistas nos seus escalões mais altos. A organização tinha como objectivo organizar os palestinos numa força capaz de por fim à ocupação. A liderança israelense procurava mudar a lealdade palestina da OLP política e secular para a religiosa e não-política antecessora do Hamas.

Os israelenses imaginavam que ao dispor de extensos serviços sociais e religiosos os palestinos seriam despolitizados graças ao alívio do seu sofrimento e portanto menos propensos à resistência nacionalista e anti-ocupação.

Portanto, as autoridades israelenses de ocupação forçaram o exílio de activistas cristãos palestinos que encorajavam à resistência não violenta, mas permitiram que grupos islâmicos radicais fizessem reuniões, publicassem jornais e tivessem a sua própria estação de rádio não censurada.

Não surpreendentemente, os grupos religiosos de serviço social foram-se tornando cada vez mais politizados. Eles testemunhavam a escalada da brutalidade da ocupação e a ineficácia da actividade caritativa por si só em questionar o apartheid forçado. Continuaram as suas actividades de serviço social, mas aglutinaram-se em 1987 para formar o Hamas, um acrónimo para Harakat al-Muqawama al-Islamiya, O Movimento de Resistência Islâmica.

A nova auto-definição política do Hamas, como representando Resistência à ocupação, tanto selou o seu destino aos olhos dos israelenses como promoveu a sua atractividade para os palestinos.

Em 1992 Israel expulsou centenas de membros do Hamas. Muito poucos foram acusados de crimes violentos. O Conselho de Segurança da ONU declarou unanimemente que as expulsões constituíam uma violação do direito internacional e apelou ao retorno dos exilados. Mas a nova administração Clinton bloqueou a aplicação da resolução.

O resultado foi que os exilados tornaram-se heróis e a reputação do Hamas e a sua força política entre os palestinos cresceu significativamente. Mas em 1993 o Hamas tinha o apoio de apenas 15 por cento dos palestinos. Qual a razão para o crescimento do apoio palestino ao Hamas desde então?

Israel e a Autoridade Palestina matam as esperanças dos palestinos

Nos anos seguintes ao Acordo de Oslo, de 1993, entre a OLP e Israel ficou claro que nada estava a ser feito para avançar a formação de um estado palestino viável. O Hamas chamava a atenção para o facto de que o Acordo era, por intenção de Israel, aberto, em etapas, calculadamente vago e sem compromissos, sem garantias quanto a questões chave como assentamentos, terra e água, o status de Jerusalém e o retorno de refugiados.

Além disso, mesmo quando as negociações de Oslo prosseguiam, e continuando durante anos após as mesmas, Israel continuou a construir assentamentos a um ritmo acelerado. Os blocos de assentamento foram posicionados de modo a criar "factos no terreno" os quais tornavam impossível especificar uma área que pudesse constituir um estado palestino viável.

O professor de história da Universidade de Haifa Ilan Pappe, nascido em Israel, descreveu perfeitamente os Acordos de Oslo como um ardil para permitir a Israel continuar a construir assentamentos de modo a encurralar os palestinos em bantustões estilo sul-africano.

Tudo isto culminou em Camp David, em 2000, na "oferta generosa" de Barak, uma impressionante confirmação da acusação de Pappe: um "estado" palestino sem continuidade territorial, dividido por blocos de assentamento, cortado por estradas e barreiras em estradas, com o controle israelense de toda a fronteira. A área permitida aos palestinos incluiria 69 blocos de assentamento, alojando 85% de todos os colonos israelenses. Os palestinos teriam de viajar 50 milhas [80 km] para ir de uma cidade para outra, com muitos atrasos inúteis em pontos de controle e barreiras de estrada, a fim de atravessar uma distância real de 5 milhas [8 km].

E durante todo este processo Israel continuou a expandir a sua colonização da Cisjordânia, duplicando o número de colonos nos dez anos que se seguiram a assinatura dos Acordos.

Isto foi uma bofetada na cara do palestinos, que haviam concordado, através da OLP, em aceitar uns meros 22 por cento da terra que era sua antes de 1948. Conceder 78 por cento da terra foi um compromisso histórico palestino.

Desde as reuniões de Oslo e Camp David a condição dos palestinos continuou a deteriorar-se. Ficou cada vez mais claro que a OLP e sua sucessora, a Autoridade Palestina (AP), não fora simplesmente inepta na negociação, mas que a AP e o seu líder Yasir Arafat estavam afundados na corrupção, com grande parte dos fundos da Autoridade gasto com compadres enquanto Arafat passava grande parte do seu tempo a viver no luxo longe da Palestina. A última gota foi a decisão da AP de designar a sua polícia a que ajudasse as autoridades de ocupação na supressão da resistência palestina.

Em contraste, o Hamas era percebido pelos palestinos como honesto e genuinamente sensível aos seus interesses. O Hamas persistentemente criticou a inépcia e a corrupção da AP. Mas a sua abordagem não era meramente negativa: como veremos abaixo, o Hamas propunha políticas e pontos de negociação que eram construtivos, realistas e que não ameaçavam o direito de Israel a existir.

Estes desenvolvimentos foram o princípio do crescente apoio palestino ao Hamas.

Os media "de referência" tendem a retratar a escolha eleitoral de 2006 dos palestinos como uma mostra de apoio à violência política como meio de resolução do conflito Israel-Palestina. Na verdade, os media habitualmente equiparam o Hamas à violência estúpida ao serviço da destruição de Israel. Nenhuma destas alegações contra o Hamas e o povo palestino é verdadeira. Vamos examinar a questão geral da violência política do povo sem Estado, antes de passar a questões específicas da posição do Hamas em relação à actual crise em Gaza.

Questões preliminares: Condição de falta de Estado e violência legítima

O recurso palestino à violência não tem conexão com a questão do direito de Israel a existir. Que a resistência palestina à ocupação por vezes assuma formas violentas não indica um desejo de aniquilar Israel. No caso dos palestinos, o recurso à violência não pode ser entendido sem considerar o passivo peculiar da inexistência de Estado.

Os media "de referência" não fazem qualquer esforço para comunicar ao público geral os efeitos singularmente debilitantes da inexistência de Estado. A falta de Estado não é simplesmente estar privado de "uma terra de si próprio". A definição de Max Weber do Estado é que é mais relevante aqui: o Estado é a instituição que monopoliza o uso legítimo da violência.

O Estado pode legalmente empregar violência como um meio de corrigir injustiças feitas aos seus cidadãos. Se alguém mata o seu filho, você não pode aprisioná-lo no seu sótão como punição. Ao invés disso, você denuncia a injustiça sentida às autoridades do Estado, as quais então julgam a sua queixa através do sistema de justiça. Um momento de reflexão revela que o povo sem Estado é um povo ao qual faltam quaisquer meios legítimos de se defender da injustiça.

Um povo sem Estado está estruturalmente indefeso face à injustiça. Pois se a modernidade limita a resposta violenta à injustiça à intervenção do Estado, então a ausência de Estado obriga à passividade dos que dele não dispõem. Estes são transformados em pacifistas involuntários. O facto de não terem Estado retira aos palestinos a única espécie de resistência apropriada aos instrumentos de opressão que enfrentam, nomeadamente resistência forte e agressiva. Pois a entidade que oprime os palestinos é um Estado racista e colonialista que tornou claro, como veremos abaixo, que não negociará qualquer das reivindicações da sua população sujeita e que tem uma forte inclinação à utilização permanente e supérflua dos seus próprios instrumentos de destruição.

A amarga experiência ensinou aos palestinos que a resistência/desobediência não violenta ou civil é de facto ineficaz. Activistas da paz não violenta como Rachel Corrie (americana), Tom Hurndall (britânico) e Gil Nima'ati (israelense) encontraram a morte diante das forças de defesa israelenses (IDF), que sabiam exactamente o que estavam a fazer.

Apesar de tudo isto, a condição de ausência de Estado dos palestinos determina que eles não podem "tomar o assunto nas suas próprias mãos". Pois palestinos tomarem as medidas que normalmente seriam tomadas por um Estado cujos cidadãos são tratados por um poder inimigo tal como os palestinos são tratados por Israel é denominado "terrorismo". Faltando um Estado para proteger os seus interesses, os palestinos encontram-se na seguinte pouco invejável posição: seja o que for que lhes seja feito, as únicas respostas legítimas são a passividade ou a confiança na bondade de estranhos. E a resposta da "comunidade internacional" ao apuro dos palestinos torna claro que esta última é de facto estranha para eles, e de modo algum estranha de outra espécie. A resposta ilegítima, então, torna-se a única alternativa a abraçar a derrota.

Note-se a peculiaridade da utilização de "ilegítimo" neste contexto. Chamar a violência privada ou não estatal de "ilegítima" é implicar que a acção do Estado está disponível. Mas no caso notável de um povo oprimido sem um Estado, a distinção normal entre acção legítima e ilegítima não tem aplicação.

Enquanto a violência dos movimentos de resistência sem Estado é por definição ilegítima, isto é, não efectuada legalmente por um Estado, é uma questão aberta se tal violência é justificada. É claro para a maioria das populações do mundo que a resistência violenta ao apartheid israelense é tão justificada como foi a por vezes violenta resistência dos negros sul-africanos ao regime do apartheid dos seus opressores.

A questão para nós em ligação com a crise de Gaza é se o Hamas está preparado para renegar a violência na falta da eliminação do Estado de Israel. Por outras palavras: Estará o Hamas aberto a uma resolução não violenta do conflito Israel-Palestina? Veremos a seguir que o Hamas na verdade está aberto a uma tal solução.

Estará o Hamas comprometido com a destruição de Israel?

As primitivas declarações fundadoras do Hamas na verdade negavam a Israel o direito de existir. Como veremos, o Hamas abandonou esta posição absolutista. O apoio crescente da organização levou-o a assumir um senso renovado de responsabilidade para com aqueles que o levaram ao poder. A comunidade palestina era principalmente secular e nunca abraçou o absolutismo do fundamentalismo islâmico. Apesar do contínuo terror israelense continuou a endossar a solução dos dois Estados.

O Hamas tomou uma posição firme contra um apelo da al-Quaeda a realizar uma jihad violenta destinada a arrebatar toda a Palestina de Israel. O Hamas, em Março de 2006, respondeu que:

"A nossa batalha é contra a ocupação israelense e nossa única preocupação é restaurar nossos direitos e servir nosso povo".

Nas eleições que levaram o Hamas ao poder de Gaza, em 2006, os "pragmáticos" do Hamas prevaleceram sobre a minoria dos intransigentes, muitos dos quais transformaram-se em moderados. O Hamas foi sempre receptivo ao seu eleitorado. Ele sabe que a sua vitória eleitoral foi devida não ao extremismo religioso mas sim à plataforma do Hamas de governo honesto, eficaz e limpo e de serviços sociais melhorados.

Num inquérito pós-eleitoral apenas 1 por cento dos palestinos disse que o Hamas deveria impor a Lei Islâmica sobre a Palestina, ao passo que 73 por cento apoiava uma solução dois Estados como parte de um acordo de paz com Israel. O Hamas respondeu com uma reafirmação do seu próprio apoio a uma solução dois Estados.

A Henry Siegman, ex director executivo do American Jewish Congress ex director do Projecto Médio Oriente do Council of Foreign Relations, foi assegurado por um membro influente do Comité Político do Hamas que este não exclui o reconhecimento oficial de Israel mas que o Hamas não renunciará à sua crença de que a Palestina é uma dádiva religiosa indicada por Deus para os muçulmanos. Contudo, o responsável acrescentava que esta crença teológica não excluía acomodações a realidades temporais e ao direito internacional. Isto inclui, enfatizou, o reconhecimento da soberania de Israel.

Esta posição tem um paralelo preciso do lado de Israel. Judeus religiosos acreditam que Deus prometeu toda a Palestina para o povo judeu. Mas eles estão preparados para adiar a implementação desta reivindicação religiosa para o tempo que se seguirá à aparição do messias.

Por outras palavras, no mundo real as convicções religiosas tanto do Hamas como dos judeus religiosos estão em consonância com uma resolução prática e secular do seu conflito.

A liderança israelense está plenamente consciente de tudo isto. Sua objecção real ao Hamas é que a organização corporifica mais genuinamente do que qualquer anterior liderança palestina a resistência à ocupação e negociações inteligentes rumo a um Estado palestino independente.

Por que o Hamas não "reconheceu" Israel agora?

A questão do reconhecimento é para desviar atenções. Trata-se de Geopolítica elementar: o reconhecimento de Israel pelo Hamas significaria a sua aceitação do não-reconhecimento por Israel de um Estado palestino. O Hamas tornou claro que se Israel oferecesse uma genuína solução dois estados com um retorno às suas fronteiras de 1967, e isto fosse ratificado pela maioria dos palestinos, o Hamas consideraria isto aceitável. Isto levaria ao reconhecimento oficial de Israel.

O que importa é o reconhecimento oficial, o qual só pode ser feito por um Estado soberano. O Hamas não pode "reconhecer" Israel tal como o Likkud não pode reconhecer a Espanha. E, no caso de Israel, o que é que deve ser reconhecido? Israel recusa-se a declarar as suas fronteiras oficiais.

Estará o Hamas comprometido com a violência política?

Mesmo a imprensa israelense relatou que o Hamas oferecer a Israel, logo após a sua vitória eleitoral de 2006, um cessar fogo extenso e uma aceitação de facto dos dois Estados se apenas Israel retornasse às suas fronteiras de 1967.

Ao invés de agarrar esta oportunidade para testar a boa fé do Hamas, Israel preferiu punir toda a população de Gaza com um bloqueio a fim de pressionar o povo a renunciar aos resultados da eleição.

O Hamas de facto manteve reiteradamente vários cessar fogo, os quais Israel habitualmente violou. A conexão entre violações israelenses dos cessar fogo e bombismos suicidas é instrutiva. (Um tratamento completo desta questão foi feito por Steve Niva, académico do Médio Oriente, em dois importantes artigos em www.counterpunch.org/niva08272003.html e www.counterpunch.org/niva03242004.html

Há um indicador virtualmente infalível de um acto de bombismo suicida: um assassinato israelense de um comandante superior ou de um líder de um grupo militante. Este indicador é mais confiável quando os assassínios se verificam enquanto estes grupos estão a negociar uma trégua aos ataques aos israelenses, ou quando os assassínios rompem cessar-fogos duradouros de grupos palestinos.

Este padrão tornou-se mais frequente e previsível depois de Ariel Sharon se tornar primeiro-ministro, em Fevereiro de 2001. Ele intensificou a campanha de assassínios contra militantes palestinos destacados.

Sharon escolheu deliberadamente períodos durante os quais grupos anti-ocupação estavam ou a negociar ou realmente a manter cessar-fogos nos ataques a civis israelenses.

Aqui está apenas uma amostra dentre muitos exemplos:

– Dois meses depois do cessar-fogo do Hamas, Israel assassinou dois destacados comandantes do Hamas em 31 de Julho de 2001. Menos de duas semanas mais tarde houve um bombismo suicida numa pizzaria em Jerusalém.

– Enquanto o Hamas estava a cumprir um acordo de não atacar objectivos dentro de Israel a seguir aos ataques do 11/Setembro, Israel assassinou o alto dirigente do Hamas Mahmud Abu Hanoud, em 23 de Novembro de 2001. Uma semana depois houve bombismos suicidas em Jerusalém e Haifa.

– Em meio a um cessar-fogo declarado por todo os grupos militantes no fim de Dezembro, Israel assassinou o destacado dirigente do Hamas Raed Karmi, em 14 de Janeiro de 2002. Menos de duas semanas mais tarde houve um bombismo suicida como retaliação.

– Em Julho de 2002 houve relatos generalizados de que seria anunciado um cessar-fogo unilateral por parte do Hamas em 23 de Julho. Naquele dia, pouco antes do previsto anúncio de cessar-fogo, Israel assassinou o destacado dirigente militar do Hamas Salah Shehada através de um ataque aéreo a um apinhado bloco de apartamentos na Cidade de Gaza. Entre os feridos estavam 15 civis, 11 deles crianças. Menos de duas semanas depois o Hamas retaliou com um bombismo suicida.

– Em 22/Março/2004 Sharon conseguiu assassinar o fundador e líder espiritual do Hamas, Sheikh Yassin. Seguiu-se o que era previsível.

Jornalistas israelenses denunciam a cumplicidade de Israel nos bombismos suicidas

Alguns dos mais prestigiados comentadores políticos de Israel sugeriram que Israel é responsável por pelo menos alguma violência palestina. Esta posição não pode sequer ser formulada na linguagem padrão dos media dos EUA, os quais sistematicamente definem a violência israelense como "retaliação" e a violência palestina como "ataques".

Num artigo (25/Novembro/2001) no jornal de Israel com maior tiragem, Yediot Aharanot, Alex Fishman, o conservador comentador militar do jornal, observou que

"Quem quer que tenha decidido a liquidação de Abu Hanoud sabia antecipadamente que [um ataque terrorista dentro de Israel] seria o preço. O assunto foi amplamente discutido tanto ao nível militar como político de Israel, antes de ser decidido executar a liquidação".

Escrevendo no Haaretz (21/Janeiro/2002), o jornalista Danny Rubinstein destacou que

"Os assassínios de Israel hoje geram muito mais dano do que os benefícios que eles são supostos trazer ... pode-se dizer explicitamente neste momento que o assassínio de Karmi já custou directamente as vidas dos dezenas de israelenses que morreram na semana passada vítimas de ataques terroristas".

A utilização da palavra "directamente" por Rubinstein é uma afirmação de que Israel partilha alguma responsabilidade pelos bombismos suicidas.

Um editorial do Haaretz (02/Agosto/2002) a seguir ao assassínio de Shehada declarava que

"Em suma, qualquer criança de quatro anos que examinasse este padrão de acontecimentos concluiria que este governo, conscientemente ou não, simplesmente não está interessado na cessação dos ataques terroristas, pois eles constituem a sua raison d'etre".

O Hamas explicou em pormenor a arrepiante implicação de tudo isto imediatamente a seguir à morte de Yassin:

"Hoje Ariel Sharon ordenou a morte de centenas de sionistas em cada rua, cidade e centímetro das terras ocupadas".

Durante anos, insinceramente, Israel insistiu em que os ataques suicidas eram o principal obstáculo para negociações. Desde a trégua mais recente que começou no último Verão, o primeiro-ministro do Hamas, Ismael Haniyeh, removeu o obstáculo efectuando a completa cessação dos bombismos suicidas. Como era de esperar, isto não fez diferença para Israel, o qual respondeu recusando aos habitantes de Gaza energia eléctrica, remédios, equipamento médico e alimentos.

A questão, então, não é simplesmente se Israel tem um interesse directo em perpetuar ataques terroristas palestinos, mas se Israel tem qualquer intenção que seja de fazer a mais ligeira concessão aos palestinos na direcção do estabelecimento da solução dois Estados.

Intenções de Israel: Um acerto justo ou limpeza étnica?

Ephraim Halevy, o ex chefe da agência de inteligência Mossad, informou em 23 de Dezembro que o Hamas

"[está] pronto e desejoso de ver o estabelecimento de um estado palestino nas fronteiras temporárias de 1967... [O Hamas está preparado] a aceitar um caminho que poderia levá-lo para longe dos seus objectivos originais... Israel, por suas próprias razões, não quis transformar o cessar-fogo no início de um processo diplomático com o Hamas".

Halevy pode não se aperceber das "suas próprias razões" de Israel para sabotar negociações destinadas ao estabelecimento de um Estado palestino, mas não por falta de declarações francas da liderança israelense. Em 14 de Novembro de 1998, Ariel Sharon declarou que

"É dever dos líderes israelenses explicar à opinião pública, claramente e corajosamente, um certo número de factos que são esquecidos com o tempo. O primeiro destes é que não há sionismo, colonização ou Estado judeu sem a expulsão (eviction) dos árabes e a expropriação das suas terras".

Em 2005 Dov Weisglass, conselheiro sénior de Sharon, disse acerca da retirada de Israel de Gaza:

"A retirada é realmente formaldeído [NR] . Ela fornece a quantidade de formaldeído que é necessária, de modo que não haverá um processo político com os palestinos... todo este pacote chamado Estado palestino foi removido da nossa agenda indefinidamente".

A fim de que não se pensasse que esta posição era peculiar apenas do raivoso Sharon, eis o que Ehud Olmert disse num discurso numa Sessão Conjunta do Congresso dos EUA em 24 de Maio de 2006:

"Acreditava e ainda hoje acredito no direito eterno e histórico do nosso povo a toda esta terra".

Motivações reais de Israel

O que Israel teme não é o terrorismo e sim a independência palestina. Israel não permitirá que emerja um governo palestino soberano sobre a terra que pretende manter – e provavelmente expandir – como a sua própria. A Autoridade Palestina estava e está no bolso de Israel. O Hamas nunca será peão de Israel. Portanto, ele deve ser erradicado. Esta é a principal razão para a actual guerra relâmpago contra Gaza. Mas não é a única.

Aproximam-se as eleições israelenses, em Fevereiro. Antes do sítio o Likkud de Benjamin Netanyahu estava à frente nos inquéritos. A guerra relâmpago é uma demonstração de dureza, um gesto de que os políticos gostam de aproveitar-se em tempos de eleição. Tzipi Livni e Ehud Barak colocaram-se em evidência regozijando-se com o bombardeamento desde que os ataques começaram, esperando promover as fortunas eleitorais do Kadima e do Partido Trabalhista. E na verdade as sondagens do Partido Trabalhista estão 50 por cento mais altas nos últimos seis dias.

Finalmente, Israel nunca venceu uma guerra nos últimos 27 anos. Para agravar ainda mais as coisas, as Forças de Defesa de Israel sofreram uma humilhante derrota no Líbano, às mãos do Hezbollah, em 2006. Como disse segunda-feira Mark Heller, chefe de investigação associado no Instituto para Estudos de Segurança Nacional, da Universidade de Tel Aviv:

"Ninguém hoje tem medo de nós da mesma forma que antes... uma boa razão para esta operação [é] restaurar a credibilidade na capacidade de Israel para dissuadir inimigos".

A ironia, naturalmente, é que o actual sociocídio avolumará as fileiras do Hamas e dos seus simpatizantes, tal como o fiasco libanês de Israel reforçou o prestígio do Hezbollah. Mas só o activismo global em solidariedade com o povo palestino derrotará os desígnios colonialistas de Israel e a sua arrogância letal.


04/Janeiro/2009

[NR] Formaldeído: gás venenoso.

[*] Professor emérito de Política Económica em The Evergreen State College, Olympia, Wa, EUA. Seus artigos têm sido publicados em The Nation, Monthly Review, Commonweal, Common Dreams, Global Research e em publicações profissionais de ciências económicas, filosofia, direito e psicologia.

Texto com citações de Sub comandante Marcos a respeito da guerra


A INVESTIDA DE ISRAEL CONTRA GAZA, "CLÁSSICA" GUERRA DE CONQUISTA: MARCOS. Hermann Bellinhausen, La Jornada, 05/01/2009.

San Cristóbal de las Casas, Chiapas, 04 de janeiro. Para os zapatistas, em Gaza há "um exército profissional assassinando uma população indefesa", disse hoje o Subcomandante Marcos ao dedicar uma intervenção não-programada à nova guerra em curso.
O penúltimo dia do Festival Mundial da Digna Raiva foi marcado pela indignação diante do ataque contra a Palestina e a repressão em Oaxaca, que horas antes havia se repetido com a prisão de 20 pessoas que participavam de um protesto pacífico contra a invasão em Gaza diante do consulado dos Estados Unidos.
Nas primeiras horas deste domingo, centenas de participantes do festival, que se realiza nas proximidades de San Cristóbal, para além dos subúrbios indígenas de La Hormiga, foram até o centro para protestar contra a invasão e pedir a libertação dos presos da APPO. Pelo menos, esta última demanda foi conseguida ontem à noite. A inusitada marcha com tochas, que saiu da Universidade da Terra, fez com que os hotéis fechassem as portas e alguns moradores lembrassem da primeira madrugada de 1994 [dia do levante do EZLN].
Na parte da tarde, Marcos diria: "Não muito longe daqui, num lugar chamado Gaza, um exercito fortemente armado e treinado, o do governo de Israel, continua seu avanço de morte e destruição". Uma guerra "clássica" de conquista. "Primeiro um pesado bombardeio para destruir os pontos nevrálgicos e abrandar as fortificações da resistência". Lembrou que na sexta-feira, "no mesmo dia em que nossa palavra se referiu à violência", Condoleeza Rice declarava que o que acontece em Gaza era "culpa dos palestinos, por sua natureza violenta".
Afirmou que continua "o férreo controle sobre o que se ouve e se vê" no mundo, "externo ao teatro de operações", e há "fogo intenso de artilharia sobre a infantaria inimiga para proteger o avanço das tropas. Depois o cerco e o sítio à guarnição, e o assalto que conquiste a posição aniquilando o inimigo".
De acordo com as fotos das agências, acrescentou, "os ‘pontos nevrálgicos’ destruídos pela aviação israelense são casas de moradia, barracos e prédios civis". Então, "pensamos que ou os artilheiros são ruins de pontaria ou tais pontos não existem. Não temos a honra de conhecer a Palestina, mas supomos que nessas casas, barracos e prédios mora ou morava gente, homens, mulheres, crianças e anciãos, e não soldados".
Talvez, opinou, "para o governo de Israel esses homens, mulheres, crianças e anciãos são soldados inimigos, e os barracos, casas e prédios onde moram são quartéis que devem ser destruídos. Com certeza, os disparos de artilharia que nesta madrugada caiam sobre Gaza eram para proteger desses homens, mulheres, crianças e anciãos o avanço da infantaria de Israel e o destacamento inimigo que querem debilitar nada mais é a não ser a população palestina que vive aí e que o assalto procurará aniquilar".
Com voz quebrada expressou: "Nossos gritos podem deter alguma bomba? Nossa palavra salva a vida de alguma criança palestina? Achamos que sim. Talvez não detenhamos uma bomba, nem nossa palavra se transforme em escudo blindado", mas, possivelmente, consiga unir-se a outras e "se torne murmúrio, em seguida voz forte e depois grito que se escute em Gaza. Todos e todas nós, zapatistas do EZLN, sabemos quanto é importante ouvir palavras de alento em meio à destruição e à morte".
Quanto ao resto, segundo a análise de Marcos, "o governo de Israel declarará que infligiu um severo golpe ao terrorismo, ocultará do seu povo a magnitude do massacre e os produtores de armamentos terão tido um breve fôlego econômico".
O povo palestino vai resistir, sobreviver e continuar lutando, confiou o porta-voz zapatista. "Talvez, um menino ou uma menina de Gaza sobrevivam e cresçam, e com eles cresçam a coragem, a indignação, a raiva; talvez se tornem soldados ou milicianos, talvez enfrentem Israel, e, então, lá em cima escreverão sobre a natureza violenta dos palestinos, farão declarações condenando esta violência e se voltará a discutir sobre se é sionismo ou anti-semitismo. Ninguém perguntará quem semeou o que colhe".

terça-feira, 6 de janeiro de 2009

Assine a petição on line contra a Guerra

http://www.petitiononline.com/gaza2812/petition.html

José Saramago fala sobre a posição de Obama a respeito da guerra

Israel
By José Saramago
Não é do melhor augúrio que o futuro presidente dos Estados Unidos venha repetindo uma e outra vez, sem lhe tremer a voz, que manterá com Israel a “relação especial” que liga os dois países, em particular o apoio incondicional que a Casa Branca tem dispensado à política repressiva (repressiva é dizer pouco) com que os governantes (e porque não também os governados?) israelitas não têm feito outra coisa senão martirizar por todos os modos e meios o povo palestino. Se a Barack Obama não lhe repugna tomar o seu chá com verdugos e criminosos de guerra, bom proveito lhe faça, mas não conte com a aprovação da gente honesta. Outros presidentes colegas seus o fizeram antes sem precisarem de outra justificação que a tal “relação especial” com a qual se deu cobertura a quantas ignomínias foram tramadas pelos dois países contra os direitos nacionais dos palestinos.

Ao longo da campanha eleitoral Barack Obama, fosse por vivência pessoal ou por estratégia política, soube dar de si mesmo a imagem de um pai estremoso. Isso me leva a sugerir-lhe que conte esta noite uma história às suas filhas antes de adormecerem, a história de um barco que transportava quatro toneladas de medicamentos para acudir à terrível situação sanitária da população de Gaza e que esse barco, Dignidade era o seu nome, foi destruído por um ataque de forças navais israelitas sob o pretexto de que não tinha autorização para atracar nas suas costas (julgava eu, afinal ignorante, que as costas de Gaza eram palestinas…) E não se surpreenda se uma das suas filhas, ou as duas em coro, lhe disserem: “Não te canses, papá, já sabemos o que é uma relação especial, chama-se cumplicidade no crime”.



El Roto
Publicada no El País - 30 - 12- 2008

--------------------------------------------------------------------------------

ESTRANGULAR GAZA ATÉ A MORTE ENQUANTO FINGE SER A VÍTIMA.



Khalid Amayreh Rebelión 26/12/2008.

Ninguém se entusiasma com a última escalada da violência em Gaza, à exceção, talvez, dos que apóiam a guerra em Tel Aviv e dos traidores árabes e palestinos, respaldados pelos estadunidenses, que fariam qualquer coisa e chegariam a qualquer extremo para agradar seus amos em Washington.
No interior de Israel, a Faixa de Gaza está se tornando uma questão eleitoral central em um país profundamente ameaçado pelo extremismo político e religioso.
Os dirigentes políticos de Israel de direita e de esquerda já estão prometendo à opinião pública judaica que destruirão Gaza e assassinarão um sem número de pobres moradores da Faixa caso sejam escolhidos nas eleições de 10 de fevereiro.
Citou-se Tzipi Livni, dirigente do partido Kadima, afirmando, no domingo 21 de dezembro, que, caso viesse a ser a próxima Primeira-Ministra de Israel, destruiria o governo de Hamás em Gaza utilizando meios militares, econômicos e diplomáticos.
Outros dirigentes israelenses têm feito afirmações semelhantes que, de fato, evidenciam os instintos canibais e as tendências patrióticas dos quais está impregnada a maior parte da sociedade judaica israelense. Afinal, a experiência mostra que quanto mais racista, mais criminoso e mais virulento for considerado um determinado político israelense, mais chances ele tem de ser eleito. Por outro lado, um político israelense que defenda um enfoque humano em relação aos palestinos, como, por exemplo, pedir que se levante o bloqueio semelhante às táticas nazistas impostas a um milhão e meio de inocentes moradores da Faixa de Gaza, estará cometendo um suicídio político. Este político seria imediatamente chamado de "judeu que odeia a si mesmo", "amante de Hamás" ou, até mesmo, de "nazista".
Este contexto é essencial para entender a atual situação em Gaza, já que a descomunal máquina de propaganda israelense quer nos fazer crer que Israel é a vítima da agressão e que os palestinos são os agressores.
Israel afirma até a náusea que o bloqueio à Faixa de Gaza, semelhante às táticas nazistas e uma descarada violação do direito internacional, é em resposta ao lançamento por parte das guerrilhas de Gaza de projeteis caseiros geralmente inofensivos, conhecidos pelo nome de Qassam.
Esta não passa de uma mentira sem precedentes. O bloqueio israelense à Faixa de Gaza começou logo depois que Hamás ganhou as eleições legislativas em janeiro de 2006 e seu objetivo principal é castigar, tanto quanto seja internacionalmente aceitável, o povo de Gaza e os palestinos em geral por ter escolhido um governo que não agrada Israel.
E tem mais. Na época, alguns dirigentes israelenses admitiram que Israel queria pôr à dieta os palestinos, um eufemismo que marcava a subseqüente e contínua política israelense de matar de fome e atacar sem piedade o povo de Gaza numa forma bem parecida à adotada pelos nazistas no Gueto de Varsóvia em 1942-43.
Determinados a sobreviver apesar de um mundo intencionalmente cruel que prega o respeito aos direitos humanos enquanto ceifa vidas humanas, os moradores da Faixa de Gaza apelaram a todas as pessoas do globo que quisessem ouvi-los, mas foi tudo em vão.
Isso foi só depois que ficou claro que Israel está diabolicamente determinado a destruir a Faixa de Gaza e seus moradores através de um lento processo de extermínio, quando os moradores da Faixa começaram a disparar estas armas profundamente psicológicas que causam bem poucos danos e raramente causam vítimas entre os israelenses.
Em junho [2008] Hamás chegou a deter todos os "atos beligerantes e as hostilidades" contra Israel em troca da reciprocidade israelense e do fim do hermético assédio à Faixa que está destruindo a economia de Gaza e causando a morte de centenas de pessoas inocentes. [De acordo com fontes médicas palestinas, de junho ao início de dezembro de 2008, o número de moradores da Faixa mortos em conseqüência do embargo israelense chegava a 271 pessoas].
Contudo, no lugar de negociar com boa vontade o acordo mediado pelo Egito, Israel nunca levantou o assédio e nem permitiu que os pontos de atravessamento das fronteiras voltassem a ser abertos.
Nas palavras de um jornalista de Gaza, Israel recorreu à política de "estrangular Gaza até praticamente matá-la" impedindo que entrassem em Gaza a maioria dos gêneros de primeira necessidade, de material médico-hospitalar a alimentos.
Mais concretamente, desde 19 de junho, dia em que começou a trégua, até 19 de dezembro, em que acabou, Israel violou o acordo de cessar-fogo várias vezes e matou 49 palestinos.
Durante esse período as facções palestinas em Gaza não mataram um único civil israelense. Portanto, alguém sempre deveria se perguntar o que se supõe devem fazer as autoridades palestinas em Gaza quando Israel está lhes dizendo com os fatos que só têm duas opções: agonizar até a morte em conseqüência de um assédio criminoso ou serem assassinados e dizimados pelo exército de ocupação israelense.
Alguns meses atrás, este escritor desafiou um rabino da Cisjordânia a pedir ao seu governo que acabasse com o assédio à Faixa de Gaza e permitisse uma atividade econômica normal entre Gaza e o resto do mundo. Assegurei-lhe que se Israel desse este passo, seriam detidos todos os ataques e atividades hostis contra os assentamentos israelenses que cercam este território costeiro. Como era de se esperar, o governo israelense rechaçou a proposta e disse laconicamente ao rabino que respeitava seus esforços.
Infelizmente, permite-se a Israel continuar fazendo passar fome e matando os habitantes de Gaza graças a um mundo hipócrita cujos dirigentes continuam dizendo a Israel que "tem direito a se defender" ao passo que ignoram completamente que também os palestinos têm, pelo menos, o mesmo direito à vida e à dignidade humana.
Quantos dirigentes ocidentais tiveram o valor moral de visitar Gaza e constatar em loco o holocausto em câmara lenta? Quantos dirigentes ocidentais se atreveram a expressar o politicamente inofensivo ainda que equilibrado ponto de vista pelo qual Israel deveria levantar o assédio à Faixa de Gaza e então os palestinos acabariam com seus praticamente inócuos ataques a Israel?
Por que Tony Blair diz a Israel que tem o direito de bombardear Gaza? Acaso desconhece a existência de um milhão e meio de seres humanos forçados a viver uma situação que não é muito diferente daquela que muitos judeus europeus tiveram que enfrentar décadas atrás?
E, o que acontece com Sarcozy que afirma representar a tolerância ocidental? O que está acontecendo com os chefes de Estado da União Européia? Acaso assistem de camarote como o povo da Faixa de Gaza é brutalmente atacado e assassinado pelo crime contra a humanidade também conhecido como Israel?
Sucumbiram à cegueira e à insensibilidade moral perante um Estado malvado que afirma ser luz entre as nações enquanto pensa, age a atua de uma maneira bem parecida à do Terceiro Reich?
Pois bem, todos eles deveriam se envergonhar. A História não será amável com vocês.