Não patrocine massacres. Boicote produtos israelenses.

Não patrocine massacres. Boicote produtos israelenses.

quarta-feira, 7 de janeiro de 2009

A expansão assassina de Israel


O slogan que deu aval aos inúmeros judeus espalhados pelo mundo, sobretudo pela Europa, para que emigrassem para a Palestina, continua a prevalecer, "uma terra sem povo para um povo sem terra". As palavras de Theodor Herzel,idealizador do sionismo confirmam isso: "Na Basiléia fundei o Estado Judeu", (agosto de 1897).
A diferença agora é que os judeus não vêm mais da Europa, eles atravessam a fronteira e chegam à "terra prometida" Mas qual será os limites territoriais dessa terra prometida? E se depois de ter usurpado a Palestina toda eles encucarem que o Egito, o Líbano, a Jordânia a Síria ou qualquer outro país faz parte do que fora prometido?
A desculpa para a "volta" dos Judeus quase sempre é o nazismo, o holocausto, acontecimento vergonhoso para a humanidade, como bem mostra Art Spiegelman no livro de quadrinhos Maus, mas é sempre bom lembrar que o movimento dos judeus rumo à Palestina iniciou muito antes do Nazismo.De acordo com André Gattaz no livro A Guerra da Palestina, os sionistas mantinham "relação próxima com os anti-semitas, os quais eram vistos como aliados pois poderiam estimular a emigração de judeus para a nação judaica" Theodor Herzel "manteve negociações com um dos maiores inimigos dos judeus em sua época, Wilhelm II, e os ministros czaristas Plehve e Witte", tudo com o intuito de que se intensificasse a perseguição aos judeus, de modo que esses aceitassem emigrar para a Palestina. Herzel morreu no dia 03 de julho de 1904, o nazismo começou oficialmente em 1933.
Desde o início a intenção de Israel é expandir-se. Sequer as determinações da ONU acata. Dos 57% do território (mais fértil, vale lembrar) para uma população infinitamente menor (cerca de 30% da população, a grande maioria emigrante), Israel detém aproximadamente 80% do território (veja o mapa de 1947 a 2000). E como disse Jeff Halper (importante ativista judeu - diretor do Comité contra a Câmara israelita de Demolições - e professor de Antropologia), a respeito do acordo de Camp David em 2000 sobre a criação do Estado Palestino "As pessoas pensam...Olha, Israel era muito receptivo, ofereceu 95% da Cisjordânia, dos territórios ocupados dos palestinos e são repelidos com violência"..."a suposição de que 95% do território dá a você 95% de soberania". Jeff Halper compara essa "devolução" dos territórios com uma prisão: "Se você olhar a planta de uma prisão parece que os prisioneiros dominam o lugar, os prisioneiros têm 95% da área. Área de vivência, pátio de exercícios, refeitório, áreas de trabalho...tudo o que as autoridades têm é 5 % do território e o controle".
É bom lembrar que as eleições israelenses se aproximam, estão marcadas para o início de 2009. Pesquisas mostram que os candidatos que são contrários a ocupação, não têm muita chance, portanto essa é a hora de "fazer guerra" para aqueles que querem se dar bem nas eleições mostrar à população o apoio que dão as ações do Estado de Israel.

Wagner Pereira

Nenhum comentário: