Não patrocine massacres. Boicote produtos israelenses.

Não patrocine massacres. Boicote produtos israelenses.

domingo, 3 de maio de 2009

Negar o holocausto de judeus não seria o mesmo que negar o massacre de palestinos?

Israel nega a existência do massacre em Gaza, e outros mais, mas a imprensa do mundo não árabe e não muçulmano, omite.

Israel tem um governo que não reconhece o estado da Palestina, mas essa imprensa se cala.

Essa mesma imprensa difunde enormemente e desqualifica o fato de o presidente Ahmadinejad, do Irã, não reconhecer o estado de Israel.

A imprensa não árabe e não muçulmana, nutre e alimenta o preconceito e o ódio contra o povo árabe no seio das populações não árabes e não muçulmanas.

Negar que Israel esteja impondo um massacre sobre o povo palestino, não seria o mesmo que negar a veracidade do holocausto do povo judeu? Negar a existência do Estado palestino, não seria o mesmo que negar a existência do povo judeu?

Nossa imprensa favorece o governo israelense ao dar conotação religiosa ao massacre promovido por Israel sobre o povo palestino, ao fazer supor que se justificam os genocidas bombardeios de Israel sobre o povo palestino, fazendo parecer que Israel esteja apenas se defendendo dos ínfimos ataques de uma pequena quantidade de morteiros do Hamas, ao chamar de guerra ao que na verdade é um massacre - uma guerra só pode ser assim chamada, quando os dois lados em litígio têm a mesma capacidade bélica, o que não se verifica nesse caso. Israel ataca com bombardeios aéreos e terrestres, enquanto os palestinos resistem com pedras.

A imprensa não árabe e não muçulmana comete um crime tão odioso quanto do próprio governo israelense ao passar a impressão a quem a assiste ou lê, de que o único lado errado no conflito são os palestinos, ao tratar o bandido (Israel) como "mocinho" e a verdadeira vítima (os palestinos) como bandidos.

A verdadeira história, a imprensa não árabe e não muçulmana não conta. O fato de Israel, com seu terrorismo de estado e alto poder destrutivo de seu aparato bélico, provindo dos Estados Unidos, expulsar o povo palestino de suas casas e suas terras, de assassinar friamente a qualquer palestino que não consiga fugir, inclusive, crianças, mulheres, idosos e portadores de necessidades especiais, num massacre pela conquista do território palestino, pelas riquezas em gás e petróleo do seu subsolo.

Por tudo isso, devemos abominar a nossa imprensa, nossos governos e a todos que, na baixeza de sua ganância e arrogância, ímpõem a nakba - a catástrofe do povo palestino. Essa é a verdade.

3 comentários:

aninhabeall disse...

Antes de tudo, nunca devemos justificar um erro com outro.
Negar o holocausto é um erro.
Judeus negando ao povo palestino o direito à sua terra, é também um erro.
O que acontece é que são dois povos que não conseguem chegar a um entendimento. Ambos querem o controle exclusivo sobre um mesmo pedaço de terra.
Está aí o impasse.

Stefano disse...

essa midia antipalestina é fantoche de IsraEEUU... nada mais

Beto- Rio Grande/RS disse...

Já é esperado esse tipo de atitude por parte da imprensa não árabe e muçulmana. Não que esteja correto, mas nada pode surpreender vindo de meios de comunicação que servem exclusivamente para distorcer informações de acordo com a vontade de governos e setores que possuem interesse apenas em explorar recursos naturais de regiões como as do mundo árabe, e não apenas lá, como aqui na América Latina é feito historicamente também, por exemplo. Nem que para isso o preço seja a vida de civis inocentes. Onde estão os "direitos humanos" que tanto é defendido por essas nações ditas "democráticas" nessas horas. Quando se tem a mídia em nas mãos, não pode existir uma democracia verdadeira.