Não patrocine massacres. Boicote produtos israelenses.

Não patrocine massacres. Boicote produtos israelenses.

terça-feira, 3 de fevereiro de 2009

Texto retirado do Blog Bourdoukan




Não culpem o Hamas, culpem o colonizador

Vamos esclarecer uma coisa.

Não há nenhum problema palestino. O problema é Israel.

Os palestinos não invadiram a Europa.

Os palestinos não ocuparam nenhuma nação européia.

Os palestinos jamais perseguiram quem quer que seja por questões religiosas.

Governantes muçulmanos palestinos sempre trataram respeitosamente quaisquer membros de outras religiões.

Jamais perseguiram os judeus europeus ou ocidentais.

Os europeus cristãos é quem perseguiam os judeus.

Os europeus cristãos é quem criaram os campos de concentração.

O holocausto é um produto cristão europeu.

E o muçulmano é o terrorista?

A criação de Israel foi uma ação cínica do Ocidente para livrar-se de seus judeus já que os campos de concentração não bastaram.

Roubaram uma terra que não lhes pertencia para doá-la a pessoas que não tinham nenhuma relação com a região.

E os palestinos é que pagam a fatura?

Vamos esclarecer uma coisa.

A Palestina é uma nação ocupada.

E como nação ocupada tem o direito de utilizar todos os meios a seu alcance para se libertar.

Foi o que fizeram todas as nações africanas.

Foi o que fizeram as nações asiáticas.

Foi o que fizeram as nações americanas para se libertar do jugo colonialista.

A Palestina é uma nação ocupada.

Terrorista é o ocupante.

Por isso engana-se quem trata o Hamas como um movimento terrorista.

Terroristas são os invasores e colonizadores.

Não se esqueçam. O presidente inconteste da Palestina, Yasser Arafat, sentou-se à mesa de negociação e apertou a mão de Rabin.

Rabin foi assassinado por um terrorista judeu.

E a cada reunião de Arafat com os israelenses, mudava-se a oferta.

A cada reunião com Arafat, o mapa da Palestina encolhia.

E acusavam Arafat de intransigente.

Dos 100% da Palestina, a ONU ofereceu 47% aos palestinos.

Os 100% originais, que passaram a 47%, foram encolhendo a cada reunião.

Hoje Israel oferece 17% e acusa os palestinos de não quererem negociar.

Eles querem enganar a quem?

Fossem eles sinceros, teriam negociado com Arafat.

Ao invés disso o mantiveram em prisão.

Arafat morreu e até hoje pairam dúvidas sobre a sua morte.

Morreu ou foi assassinado?

Foram realizadas eleições na Palestina e o Hamas venceu.

Os observadores internacionais que acompanharam essa eleição, entre os quais o ex-presidente dos EUA, Jimmy Carter, afirmaram que foram eleições limpas e transparentes.

E qual foi a reação de Israel?

Dividir a Palestina e criar um cerco brutal.

Na Cisjordânia, o muro da vergonha.

Em Gaza, um cerco onde ninguém entrava, ninguém saía.

Isto são fatos.

A Palestina é uma nação ocupada que busca a liberdade.

Israel é o opressor que não distingue seus alvos.

O Hamas é um movimento de libertação que tenta libertar sua terra da fome, da miséria, do muro da vergonha e do maior campo de concentração de que se tem notícia.

Por isso, não culpem o Hamas. Culpem o colonizador.

Nenhum comentário: